Tribunal rejeita pedido para suspender abate de árvores no local da futura fábrica da Tesla

A Gigafactory alemã deverá avançar, mediante a autorização das autoridades locais, que terão ainda de consultar a comunidade local e outras associações ambientais.

Um tribunal regional alemão rejeitou esta quinta-feira um pedido de ativistas ambientais para que fosse suspenso o abate de árvores no local onde será construída a nova fábrica da Tesla, nos arredores de Berlim.

Os ativistas mostraram a sua preocupação com os efeitos na biodiversidade do local, argumentando que o abate de árvores retiraria espaços de hibernação a cobras autóctones. O tribunal, no entanto, afirma que a Tesla tem cumprido com as regras previstas nestes casos, assegurando a captura e recolocação destes animais noutro habitat.

A associação ambiental pode ainda recorrer a um tribunal administrativo superior, mas a construção da Gigafactory alemã da Tesla deverá avançar. A decisão de autorizar o início destes trabalhos recai sobre as autoridades locais, que terão de consultar ainda associações ambientais e a comunidade de Frankfurt an der Oder, a localidade onde está prevista a obra.

Recomendadas

Humanidade só se salva se defender o planeta Terra e a biodiversidade- Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que a única saída para salvar a Humanidade é “investir no planeta Terra” e deter a perda de biodiversidade.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.
Comentários