Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.

Bloomberg

“O tribunal da cidade de São Petersburgo acaba de proferir a sua sentença: reconheceu a Vesná como uma ‘organização extremista'”, informou o movimento na sua conta da rede social Telegram.

O Vesná anunciou que pretende recorrer da sentença, e prometeu “continuar a trabalhar aconteça o que acontecer”, dentro e fora da Rússia.

O movimento refutou as acusações de que é alvo, considerando-as “absurdas”, e afirmou que não é segredo que sempre defendeu um protesto pacífico a favor de reformas democráticas baseadas nas ideias de liberdade e nos princípios do Estado de direito.

O Vesná tem manifestado oposição à campanha militar russa na Ucrânia e também defende a alternância de poder no Kremlin.

Quando, em 21 de setembro, o Presidente russo Vladimir Putin decretou a mobilização parcial de 300 mil reservistas diante do avanço ucraniano no leste e sul do país vizinho, o Vesná organizou um protesto nacional, uma manifestação pacífica convocada através da rede social Telegram que foi repetida três dias depois.

“Nada nos impedirá no caminho rumo ao nosso objetivo: acabar com a guerra criminosa e o derramamento de sangue sem sentido, e salvar o maior número de vidas possível de ambos os lados”, garantiu o movimento russo.

“Embarcámos neste caminho conscientemente e iremos até ao fim. Falar, resistir, ajudar amigos e familiares a não chegar à frente (de batalha) ou a voltar dela. Este é o nosso dever cívico”, sublinhou.

O Ministério Público, que desencadeou o processo hoje julgado pelo tribunal, acusou a organização de se dedicar a “minar a segurança pública e os fundamentos da ordem constitucional”.

Para tal, de acordo com a acusação, utilizou várias tecnologias para fins políticos, incluindo apelos através das suas redes sociais para protestos em massa ilegais e “o uso da violência contra as autoridades policiais”.

O Ministério da Justiça já tinha incluído em outubro passado o Vesná na lista de organizações não registadas que atuam como agentes estrangeiros.

Por seu lado, o Serviço Federal de Supervisão Financeira (Rosfinmonitoring), dedicado à luta contra o branqueamento de capitais e o terrorismo, juntou-o à lista de grupos terroristas e extremistas.

O Vesná é um movimento fundado em 2013 em São Petersburgo tendo na sua base jovens de vários partidos da oposição.

Recomendadas

Rodrigo Pacheco reeleito presidente do Senado do Brasil

Apesar de não ser do Partido dos Trabalhadores, o candidato eleito era apoiado pelo novo presidente Inácio Lula da Silva.

EUA: Powell reconhece primeiros sinais de alívio na inflação, mas é “prematuro declarar vitória”

O presidente da Fed afastou cortes de juros este ano, embora admita que a inflação começa a dar sinais de abrandamento. O caminho ainda é longo e a ‘aterragem suave’ continua em cima da mesa, tal como uma taxa terminal abaixo de 5%.

Papa critica “forças internas e externas” que causam violência na RDCongo

O Papa Francisco pediu para os habitantes “não se deixarem seduzir por pessoas ou grupos que incitem à violência”, criticando as forças “externas e internas” que causam violência no país.
Comentários