Tripulantes da TAP acusam companhia de “ataque difamatório” com estudo sobre salários

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de levar a cabo um “ataque difamatório” com os salários dos tripulantes de cabine, depois da publicação de um estudo comparativo com outros países.

De acordo com o estudo, noticiado pelo jornal Eco, os tripulantes da TAP podem ganhar até mais 50% do que os colegas da British Airways, mesmo com os cortes salariais, segundo as conclusões de uma comparação realizada por uma consultora para a companhia.

Em comunicado aos associados, o SNPVAC começou por dizer que “seguindo o guião preestabelecido para estas ocasiões, a TAP vem agora a público com um ataque difamatório, de forma a descredibilizar as decisões tomadas na assembleia-geral do dia 03 de novembro”. Nesse dia, os tripulantes da TAP decidiram avançar com uma greve nos dias 08 e 09 de dezembro.

“Na semana anterior, já tínhamos sido brindados com uma postura inqualificável sobre o direito à parentalidade e a direitos sociais consagrados na lei”, disse o sindicato, acrescentando que, “os direitos consagrados na lei contemplam todos os portugueses e não apenas os tripulantes da TAP, como alguns querem fazer transparecer”.

Recordando a notícia, a estrutura sindical disse que “para uma discussão séria, seria mais construtivo que o SNPVAC tivesse tido acesso ao dito estudo, sem ser através da comunicação social”.

“Aliás, teria esta notícia sido publicada se tivéssemos acordado negociar o novo Acordo de Empresa, com base na proposta apresentada pela TAP?”, questionam, perguntando ainda se a empresa teve “receio da reação do SNPVAC, sobre a credibilidade do referido estudo — à semelhança do que ocorreu aquando da apresentação da proposta de atualização das ajudas de custo”.

O SNPVAC defendeu depois que era “preocupante ouvir a CEO [presidente executiva] da TAP sublinhar que o Plano de Reestruturação é um bom plano e que o mesmo tem sido rigorosamente cumprido, mas depois divulgar valores que nada têm a ver com as metas e objetivos aí delineados.”.

De acordo com o sindicato, “o vencimento médio referido no estudo apresentado pelo Eco é 50% superior ao que foi estabelecido no Plano de Reestruturação para 2022”, sendo que “este valor é superior à meta estabelecida no mesmo Plano para o primeiro ano sem cortes salariais em 2025”.

“Entendendo que a TAP atravessa um momento crucial para a sua sobrevivência, o SNPVAC tem feito de tudo para que seja possível atingir os objetivos e metas do Plano de Reestruturação. Não pode é aceitar que se tente ir mais além dessas metas, de forma muito pouco transparente”, acrescentou.

Para o sindicato, é, “no mínimo, questionável um estudo — supostamente imparcial e competente — que afirma que “[a] remuneração mensal média de um tripulante de cabine da TAP ronda os 3.260 euros brutos”, quando, na verdade, 70% dos tripulantes de cabine auferem um rendimento médio de 1.303€ brutos; e mais de 1.000 tripulantes de cabine recebem um valor abaixo dos 1.000€ brutos. Destes 1.000 tripulantes, cerca de 500 recebem como vencimento fixo pouco mais do que o ordenado mínimo nacional”, garantiu.

Assim, “perante esta postura bélica da empresa”, a “direção do SNPVAC conclui que a administração não está disposta a negociar e prefere optar pela contínua gestão alienada da realidade”, disse o sindicato, referindo que “os ataques e a contrainformação serão uma constante nos próximos dias”.

“A TAP pode criar manobras de diversão, mas não deixaremos de relembrar que a administração é a única culpada por este desfecho”, rematou.

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.
Comentários