Tropas francesas contrariam decisão de Trump e permanecem na Síria

A França tem cerca de mil soldados no Iraque e na Síria, fornecendo apoio em logística, treino e artilharia pesada. A presença francesa na Síria também inclui dezenas de forças especiais, assessores militares e alguns funcionários de escritórios estrangeiros.

As tropas francesas vão “permanecer” militarmente envolvidas na Síria, disse esta quinta-feira a ministra dos Assuntos Europeus francesa, Nathalie Loiseau, após o anúncio da retirada das tropas dos Estados Unidos estacionadas naquele país em guerra.

A França é um dos principais membros da coalizão liderada pelos EUA que combatem militantes na Síria e no Iraque e tem cerca de mil soldados, incluindo forças especiais baseadas no norte do país, posicionadas ao lado de forças locais curdas e árabes.

Diplomatas franceses disseram à ”Reuters” na quarta-feira que a decisão do presidente Donald Trump de retirar todos os seus dois mil soldados da região apanhou Paris de ”surpresa”. As autoridades dos EUA, e o próprio presidente norte-americano, justificaram a decisão dizendo que o Estado Islâmico fora totalmente derrotado.

“A luta contra o terrorismo não acabou”, declarou Nathalie Loiseau, referindo-se ao “ataque terrorista em Estrasburgo”, no nordeste da França, que na semana passada matou cinco pessoas e feriu outras 11, algumas destas ainda em estado grave. “Por enquanto, é claro que estamos na Síria porque a luta contra o Estado Islâmico é essencial”, declarou.

A França é especialmente sensível à ameaça do Estado Islâmico após vários ataques no seu solo nos últimos anos. Centenas de franceses se juntaram ao grupo na terrorista. A ministra da Defesa, Florence Parly, reconheceu no Twitter que o grupo militante foi enfraquecido e perdeu cerca de 90% de seu território, mas disse que a batalha ainda não acabou.

“O Estado Islâmico [EI] passou à clandestinidade e em modo de insurreição na forma de combate. O EI perdeu mais de 90% do seu território e não tem a mesma logística que tinha no passado”, disse a ministra das Forças Armadas.

Segundo fonte diplomáticas francesas, o presidente Emmanuel Macron conversou com Trump na quarta-feira sobre o assunto. Em abril, quando Trump fez o primeiro anunciou de uma possível retirada dos EUA, Macron insistiu que o líder americano deveria permanecer no país, sublinhado a ameaça do Irão na região.

Relacionadas

Casa Branca ordena que a tropas norte-americanas sejam evacuadas da Síria nas próximas 24 horas

Cerca de dois mil soldados norte-americanos passaram os últimos meses a combater pequenas forças do Daesh que ainda resistiam. Hoje, Donald Trump confirma que o Estado Islâmico foi derrotado na Síria e ordena, assim, a retirada das tropas norte-americanas do país.

Síria. Trump dá ordem para retirada total das tropas norte-americanas

Cerca de dois mil soldados norte-americanos passaram os últimos meses a combater pequenas forças do Daesh que ainda resistiam. Hoje, Donald Trump confirma que o Estado Islâmico foi derrotado na Síria e ordena, assim, a retirada das tropas norte-americanas do país.

UE pede à Turquia que se abstenha de realizar intervenção militar na Síria

A alta representante da União Europeia para os Assuntos Externos pediu este sábado à Turquia que se abstenha de realizar uma intervenção militar na região de Manbech, no norte da Síria.
Recomendadas

São Tomé/Eleições: Observadores da CPLP dizem que votação correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Polícia usa gás lacrimogéneo para impedir manifestantes de chegar a embaixada do Irão em Paris

No sábado já tinha decorrido um outro protesto em Paris, na Place du Châtelet, que também contou com centenas de participantes.
Comentários