Trump concorda que os seus apoiantes foram “maus e violentos”

Declarações foram proferidas na Florida, onde Donald Trump fez mais uma paragem na tournée de agradecimento pela vitória nas eleições presidenciais.

REUTERS / Carlo Allegri

Donald Trump assumiu esta sexta-feira na Flórida, numa das paragens da ‘tournée’ de agradecimento pela vitória nas eleições, que os seus apoiantes foram violentos durante a campanha à presidência, segundo a CNN. As agressões e mensagens agressivas marcaram presença em muitos comícios do republicano e Trump foi acusado várias vezes de incitar à violência.

“Vocês foram maus e violentos. Gritavam ‘onde está o muro? Queremos o muro’. Gritavam ‘Prisão. Prisão. Prendam-na’. Quero dizer, vocês ficaram malucos. Quero dizer, vocês foram nojentos e maus e perversos e queriam ganhar, certo?”, disse Donald Trump.

“Mas agora vocês estão mais brandos e calmos e não tão maus e violentos, certo? Porque nós ganhámos, certo?”, continuou o presidente eleito.

Apesar da declaração do presidente, o público gritou “Prendam-na” em coro duas vezes, referindo-se a Hillary Clinton.

Várias pessoas foram presas por agressão nos comícios de Donald Trump e o próprio candidato insinuou algumas vezes que alguém deveria agredir Hillary Clinton ou até dar-lhe um tiro.

Durante a campanha, Trump não poupou jornalistas, chamando-os nojentos frequentemente, nem os manifestantes.

“Gostaria de dar-lhe um murro na cara”, disse Trump, em fevereiro, num comício em Las Vegas, segundo a CNN, referindo-se a um protestante “nojento” que estava no recinto. “Nos bons velhos tempos”, continuou o presidente, “pessoas assim seriam retiradas em macas para o hospital”.

 

Relacionadas

Michelle Obama diz que os americanos vão ter saudades “de ter um adulto na Casa Branca”

Numa entrevista a Oprah Winfrey, a mulher do ainda presidente norte-americano falou sobre a saída da Casa Branca.
Recomendadas

Ameaça nuclear de Putin “deve ser levada a sério”, alerta analista

“Estamos a abordar uma situação considerada impensável. Uma nova realidade”, vincou Eugene Rumer, ex-oficial dos serviços de informações para a Rússia e Eurásia no Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos e diretor do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment Endowment for International Peace.

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.
Comentários