Trump culpa Democratas pelas acusações de abuso sexual

O presidente dos EUA “tweetou” ainda que “não conhece” nenhuma das mulheres que o acusam, e que tudo não passa de “FAKE NEWS!”.

Kevin Lamarque/REUTERS

Depois de várias mulheres terem vindo ontem a público acusá-lo de assédio ou abuso sexual, Donald Trump usou a sua conta do Twitter para reagir, afirmando que essas acusações são “falsas” e “fabricadas”.

O presidente dos EUA “tweetou” que “não conhece” nenhuma das mulheres que o acusam, e que tudo não passa de “FAKE NEWS!”.

Trump acusa ainda os Democratas de se terem “virado” para esta questão por terem “sido incapazes de mostrar qualquer conluio com a Rússia” por parte da sua campanha, isto apesar das acusações formais já apresentadas pelo procurador Especial Robert Mueller que envolvem altas figuras da sua campanha presidencial, como o seu ex-diretor Paul Manafort ou o seu ex-Conselheiro de Segurança Nacional Mike Flynn.

O presidente americano atacou ainda Kirsten Gillibrand, uma senadora nova-iorquina que veio a público pedir a demissão de Trump em virtude das acusações de que foi alvo. Trump acusou a senadora de ser uma “peso-pluma” e de ter “implorado” a Trump por dinheiro para as suas campanhas de reeleição.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários