Trump já desejou Feliz Natal. No Twitter, claro

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, desejou ao mundo um “Feliz Natal”, numa publicação na rede social, este domingo.

REUTERS/Shannon Stapleton

Hoje, Donald Trump tweetou uma fotografia alusiva à época natalícia dele com o punho da mão direita levantado e uma árvore de Natal no cenário de fundo. Aparentemente, a fotografia parece ter sido durante a sua campanha para as eleições presidenciais dos Estados Unidos da América.

“Feliz Natal e um ano novo muito, muito, muito, muito feliz a todos”, escreveu no Twitter o futuro presidente, que irá oficialmente suceder a Barack Obama no próximo mês de janeiro. Ontem, véspera de Natal, Donald Trump enviou uma mensagem de “Feliz Hanukkah” também nessa rede social, com uma fotografia de uma menorah iluminada.

O ainda presidente dos EUA, Barack Obama, também divulgou os seus desejos de Natal este domingo, escrevendo: “A melhor parte destas festividades é o tempo que partilhamos com aqueles que amamos. Em nome de Michelle, Malia e Sasha, Feliz Natal a todos”.

No dia de Consoada, Donald Trump sentou-se e ajoelhou durante duas horas na igreja neogótica de Bethesda By The Sea, em Palm Beach, na Flórida. O presidente eleito e Melania Trump, que estão a celebrar a época natalícia com a família no resort Trump Mar-A-Lago, entraram no local sem aviso, pouco antes do início das celebrações, o que mereceu um forte aplauso da congregação ofereceu um alto aplauso.

Pouco depois da meia noite, tomaram comunhão. Muitas pessoas tiraram fotografias do casal dentro do santuário.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Reino Unido poderá enfrentar cortes de energia durante o inverno

A informação foi avançada esta quinta-feira pela National Grid, empresa britânica que trabalha no sector. Uma situação que vem no contexto da crise energética na Europa.

Prémio Nobel da Literatura atribuído à escritora francesa Annie Ernaux

A Academia Sueca galardoou a autora pela “coragem e acuidade clínica com que descortina as raízes, os estranhamentos e os constrangimentos coletivos da memória pessoal”.
Comentários