Trump deixa todos os negócios para se dedicar à Casa Branca

Gestão das empresas deverá ficar ao encargo da família Trump.

REUTERS / Carlo Allegri

O futuro presidente norte-americano eleito, Donald Trump, anunciou esta quarta-feira que vai deixar os negócios no setor imobiliário da evitar eventuais conflitos de interesses aquando da sua tomada de posse, em janeiro.

 

 

“A presidência é uma tarefa muito mais importante”, escreve Trump no Twitter. O empresário multimilionário escreve que quer “discutir o facto de deixar os meus grandes negócios na totalidade, para me poder concentrar completamente em gerir o país” e que para isso dará uma conferência, com data prevista para o próximo dia 15 de dezembro, para acertar detalhes desta saída do mundo dos negócios.

A gestão das empresas do magnata nova-iorquino deve passar para as mãos da família Trump, sendo que de acordo com o futuro presidente “os documentos para a transição já estão a ser finalizados”.

Recorde-se que a semana passada, Donald Trump afirmou ao New York Times que não haveria qualquer conflito de interesses se à função de presidente conciliasse a sua relação com as empresas que detém. “Em teoria, eu poderia executar os meus negócios perfeitamente e governar o país”, terá dito o empresário.

Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários