Trump pode nomear a filha Ivanka para a Casa Branca?

O Presidente eleito Donald Trump não pode nomear os seus filhos para o gabinete mas já foi aberto um precedente que facilita esta situação.

O Presidente eleito Donald Trump não pode nomear os seus filhos para o gabinete. Trump já tinha brincado na campanha com a questão da sua filha Ivanka fazer parte da sua administração e, chegaram a correr rumores acerca do seu filho, Donald Jr., ter interesse em servir como secretário do interior.

No entanto “um funcionário público não pode nomear, empregar, promover (…) qualquer indivíduo que seja um parente do funcionário público”, segundo se pode ler na lei de anti-nepotismo que o congresso aprovou em 1967.

A lei surgiu sete anos depois de John F. Kennedy ter nomeado o seu irmão Bobby para Procurador-Geral.

Contudo, um gabinete sem família direta de Trump não elimina todos conflitos de interesses na próxima administração, o presidente eleito já nomeou Ivanka, Eric, Donald Jr e Jared Kushner, marido de Ivanka, para a sua equipa de transição.

Trump negou ter pedido uma equipa de segurança secreta para os seus filhos, um facto que o mesmo divulgou no Twitter, no entanto, segundo a NBC News, o eleito requisitou segurança secreta para Kushner.

Trump poderia envolver os seus filhos na sua administração, nomeado-os como “czars” não oficiais, de acordo com o jornal online Business Insider, um precedente criado com Hillary Clinton quando, em 1993 o presidente Bill Clinton apontou a então primeira-dama para liderar a reforma do sistema de saúde.

Recomendadas

Democratas dizem que ‘impeachment’ de Trump serve para garantir que “nenhum futuro presidente” volte a apelar à violência

Recorrendo a relatos policiais, de funcionários do Capitólio e a notícias de imprensa estrangeira, os democratas alegaam que Donald Trump foi o responsável pela invasão do Capitólio, tendo provocado danos políticos e sociais de longo prazo.

Trump deseja “sucesso” e “sorte” à administração de Biden no discurso de despedida da Casa Branca

Na hora da despedida, Donald Trump limitou-se a desejar que a nova administração seja bem-sucedida, embora não tenha mencionado uma única vez o nome do sucessor, Joe Biden. O 46.º presidente dos EUA toma posse esta quarta-feira.

EUA. Um muro, o país dividido e potencial terrorismo na capital

Grades metálicas, contraplacados de madeira, uniformes, veículos militares e armas nas mãos da Guarda Nacional multiplicam-se em Washington, que se protege contra potenciais ações terroristas na posse de Joe Biden como presidente dos EUA, na próxima quarta-feira.
Comentários