Trump recompensa “amizade” de 65 países no caso Jerusalém

Os embaixadores dos países que não votaram favoravelmente a decisão da ONU que condenou a decisão de Trump de mudar a capital de Israel para Jerusalém foram convidados para uma receção no dia 3 de janeiro.

Jonathan Ernst/REUTERS

Entre votos contra a decisão da assembleia-geral – 9 -, abstenções – 35 – e países que faltaram à reunião – 21 -, os Estados Unidos contabilizam 65 países “amigos”, tendo os embaixadores desses países sido convidados para uma receção no dia 3 de janeiro de 2018, avança, esta sexta-feira, a publicação “Business Insider”.

Antes da votação, ontem, na assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, a embaixadora dos EUA, na ONU Nikki Haley, tinha enviado uma carta a 180 países, dizendo que se votassem contra os EUA, o seu financiamento poderia ser cortado.

A Assembleia-geral  da ONU condenou na quinta-feira  a decisão do presidente Donald Trump de mudar a embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém, ignorando as tentativas dissuasoras da administração Trump.

A resolução não vinculativa declara a decisão dos Estados Unidos “nula e sem efeito” e foi aprovada por 128 votos a favor, nove contra e 35 abstenções.

Recomendadas

Um ferido em explosão de envelope na embaixada da Ucrânia em Madrid

Fontes da polícia citados por meios de comunicação espanhóis revelaram que o homem ferido é um funcionário da embaixada que tinha recebido o envelope que explodiu.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Durão Barroso diz que “desglobalização” afetará empresas portuguesas

“À incerteza em torno do desenlace da guerra na Ucrânia soma-se o processo de desglobalização, fragmentação e polarização  do mundo que significará obstáculos crescentes ao comércio e a formação de dois blocos comerciais”, disse Durão Barroso no almoço promovido pela Crédito y Caución, referindo-se aos EUA e a UE, por um lado, e à China e à Rússia, por outro.
Comentários