Trump recua e assina novo plano de estímulo à economia dos Estados Unidos

O presidente cessante dos EUA assinou no domingo o novo plano de estímulo à economia dos Estados Unidos, depois de vários dias de recusa e de milhões de pessoas perderem os seus subsídios de desemprego.

Donald Trump assinou o projeto de lei no valor de 2,3 biliões de dólares (1,9 biliões de euros) no domingo à tarde na sua residência em Mar-a-Lago, Florida, onde se encontra de férias, confirmou a Casa Branca.

Este valor inclui o segundo plano de estímulo aprovado este ano, de 900 mil milhões de dólares (737 mil milhões de euros) e 1,4 biliões de dólares (1,15 biliões de euros) para financiar a Administração até setembro de 2021.

Após cinco dias de recusa em assinar o projeto de lei e de exigir alterações, Trump recuou, aparentemente para evitar que os fundos para a administração se esgotassem hoje à noite e que centenas de milhares de empregados vissem o seu salário suspenso.

O Presidente disse que, embora esteja a assinar o projeto de lei, ainda espera que o Congresso aprove uma alteração no item que contempla o envio de um pagamento único de 600 dólares (492 euros) a milhões de contribuintes, numa resposta à devastação económica e financeira causada pela pandemia do novo coronavírus.

Após o seu próprio governo ter negociado esse montante, Trump exigiu aumentar o valor para dois mil dólares.

A mudança de opinião de Trump surgiu cinco dias após ter ameaçado bloquear o projeto de lei na terça-feira se este não fosse alterado em vários pontos, desde o aumento dos pagamentos diretos aos norte-americanos até à redução da ajuda estrangeira.

A recusa em assinar a lei fez com que dois programas que concediam subsídios de desemprego a entre dez e 14 milhões de norte-americanos expirassem no domingo, sendo agora renovados quando a lei entrar em vigor.

O bloqueio do Trump suscitou críticas de vários membros do seu partido, e se se tivesse prolongado até 01 de janeiro teria levado ao fim de uma proibição nacional de despejos, afetando cerca de 30 milhões de norte-americanos.

O resgate que Trump assinou inclui 300 dólares (246 euros) por semana em subsídios de desemprego, 325 mil milhões de dólares (266 mil milhões de euros) em ajuda às empresas (a maior parte para pagarem salários), 45 mil milhões de dólares (37 mil milhões de euros) para sistemas de transportes públicos, 82 mil milhões de dólares (67,1 mil milhões de euros) para escolas e milhares de milhões em cupões alimentares, assistência aos arrendatários e distribuição de vacinas.

Relacionadas

Governo dos Estados Unidos arrisca ficar sem dinheiro esta segunda-feira. Decisão está na mão de Trump

A ameaça do presidente ainda em funções de não assinar o pacote de despesas já aprovado pelo Congresso no valor de 1,8 biliões de euros já encerrou um programa de emergência de apoio ao desemprego e pode parar parcialmente o governo federal.
Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários