Trump recusa desistir de convenção de lobby de armas no Texas apesar de massacre em escola

A National Rifle Association (NRA) tem sido um financiador chave, confiável, dos políticos conversadores há décadas. Em troca, o Partido Republicano levou a cabo políticas que permitiram aos americanos ter fácil acesso às mesmas armas de estilo militar usadas no massacre de Uvalde, no Texas.

O ex-presidente norteamericano Donald Trump recusa desistir de realizar o seu discurso na convenção anual da National Rifle Association (NRA)— a principal lobista de armas nos EUA — no Texas, apesar de acontecer na mesma semana em que um tiroteio numa escola primária matou 19 crianças e dois adultos a menos de 500 quilómetros, avança o “The Telegraph”.

Em comunicado publicado na rede social que criou, “Truth Social”, Trump anunciou que vai manter o seu “compromisso de longa data” de falar na convenção, onde disse que faria “um discurso importante para a América”. “A América precisa de soluções reais e liderança real neste momento, não políticos e partidarismo”, disse, acrescentando que vai “continuar a orar pelas vítimas, pelas suas famílias e por toda a nação”.

A própria NRA condenou o tiroteio em comunicado na quarta-feira, apelidando-o de um “crime horrível e maléfico”. “Quando nos reunimos em Houston, refletiremos sobre estes eventos, rezaremos pelas vítimas, reconheceremos os nossos membros patrióticos e comprometer-nos-emos a redobrar o nosso compromisso de tornar as nossas escolas seguras”, acrescentou.

O encontro, que acontece pela primeira vez desde a pandemia, vai reunir outros altos quadros dos republicanos, incluindo o governador do Texas Greg Abbott e o senador Ted Cruz.

O grupo pró-armas tem sido um financiador chave, confiável, dos políticos conversadores há décadas. Em troca, o Partido Republicano levou a cabo políticas que permitiram aos americanos ter fácil acesso às mesmas armas de estilo militar usadas no massacre de Uvalde, no Texas, na terça-feira, bem como no tiroteio racialmente motivado que matou dez pessoas  em Buffalo, Nova York, no dia 13.

Relacionadas

Atirador do Texas disparou contra a avó antes de seguir para a escola

A avó está viva, mas não se sabe o estado de saúde. Salvador Ramos de 18 anos matou 19 crianças.

EUA. Psicopatologias explicam maioria dos tiroteios, mas não se deve desvalorizar facilidade de obtenção de armas

Os perpetradores têm um historial de rejeição e dificuldade de se juntarem a grupos, diz Rui Costa Lopes, investigador de Psicologia Social do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. A pandemia, acrescenta, veio piorar a saúde mental dos indivíduos e contribuir para a ocorrência de tiroteios em massa num país onde é fácil obter armas.

Mais de 17.000 mortos por armas de fogo desde janeiro nos EUA

De acordo com dados do “Gun Violence Archive”, que documenta a violência com armas de fogo, das 17.202 pessoas mortas este ano 7.632 foram vítimas de homicídios, disparos não intencionais ou autodefesa, enquanto 9.570 cometeram suicídio com armas de fogo.
Recomendadas

Israel abateu três drones do Hezbollah no Mediterrâneo

O exército israelita afirmou hoje que abateu três drones do grupo xiita libanês Hezbollah e que se dirigiam a um campo de gás no Mediterrâneo, numa área marítima disputada pelos dois países.

Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.
Comentários