Trump sobre a detenção de Michael Cohen: “Ele era advogado, é suposto saber a lei”

Trump desmente as declarações de Cohen e diz que o ex advogado assumiu culpa para “envergonhar o presidente e obter uma sentença de prisão muito reduzida”.

Um dia depois de o ex-advogado do presidente norte-americano ter sido condenado a três anos de prisão, Donald Trump manifestou-se em três tweets, dizendo que Michael Cohen declarou-se culpado para “envergonhar o presidente e obter uma sentença de prisão muito reduzida”.

Apesar de Michael Cohen ter admitido, perante o tribunal de Nova Iorque, que Trump forçou-o a “seguir o caminho da escuridão e não da luz” e que assume  “total responsabilidade por todos os atos” de que é acusado, acrescentando que a sua fraqueza “foi a lealdade a Trump”, o presidente nega todas as declarações.

Na rede social, o presidente sublinhou nunca ter incentivado o ex advogado a quebrar a lei, e relembra que ”ele era advogado, é suposto saber a lei”.

Segundo o “The Washington Post”, estão em causa múltiplos crimes, incluindo mentir ao Congresso sobre um possível acordo negocial com Trump em Moscovo e comprar o silêncio duas mulheres –  atriz pornográfica Stormy Daniels e a modelo da Playboy Karen McDougal – que, durante a campanha presidencial de 2016, alegaram ter mantido relacionamentos íntimos com o então candidato republicano. Michael Cohen irá cumprir uma sentença de três anos a partir de abril 2019.

Mais tarde, durante a manhã desta quinta-feira, 13 de dezembro, Trump analisou o caso de Michael Flynn, o conselheiro formal de segurança nacional do presidente, que admitiu ser culpado de mentir ao FBI sobre seus contatos com o embaixador russo nos EUA. “Eles querem assustar todos e inventar histórias a partir dos mais pequenos mal-entendidos”, disse Trump, referindo-se ao tratamento das testemunhas pelo conselho especial na investigação atual.

Recomendadas

Ameaça nuclear de Putin “deve ser levada a sério”, alerta analista

“Estamos a abordar uma situação considerada impensável. Uma nova realidade”, vincou Eugene Rumer, ex-oficial dos serviços de informações para a Rússia e Eurásia no Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos e diretor do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment Endowment for International Peace.

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.
Comentários