Trump vai nomear China e Rússia como “competidores”

A nova Estratégia de Segurança Nacional dos EUA, a ser apresentada esta segunda-feira por Trump, vê estes dois países como potências que procuram alterar o equilíbrio de poder global no sentido prejudicial aos interesses americanos.

A nova Estratégia de Segurança Nacional (NST, na sigla em inglês) dos Estados Unidos irá classificar a China e a Rússia como “competidores” dos EUA. No discurso em que apresentará este documento, a ter lugar hoje, o presidente americano, Donald Trump deverá mesmo nomear esses dois países e atribuir-lhes essa etiqueta.

Segundo o Washington Post, a nova NST irá dar um maior ênfase a questões económicas e de segurança interna. “Esta estratégia avança o que eu chamaria de um realismo com princípios”, disse um elemento da equipa de Trump ao jornal americano. “De certa forma, o equilíbrio de poder global mudou de forma desfavorável aos interesses americanos”, continuou, adiantado que o documento “apresenta um plano para como a América poderá ganhar impulso para reverter muitas destas tendências”.

Assim, a Rússia e principalmente a China serão descritas como potências que procuram alterar esse equilíbrio de poder num sentido prejudicial aos interesses americanos, embora não deixem de os ver como parceiros ocasionais. “Estão determinados a tornar as economias menos livres e menos justas, aumentar as suas forças armadas, e a controlar informação e os dados para reprimir as suas sociedades e expandir a sua influência”, lê-se num excerto do documento citado pelo South China Morning Post.

No caso da China, a nova NST deverá identificar como maiores fatores de ameaça o papel do país no comércio internacional e no roubo de propriedade intelectual de empresas americana.

A Coreia do Norte, o Irão e os grupos terroristas islâmicos também deverão ser identificados pela Estratégia de Segurança Nacional revista pela Administração Trump como ameaças aos interesses americanos.

 

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários