TSU reduz já para empresas que paguem salário mínimo

As empresas que pagam o salário mínimo aos seus trabalhadores contarão a partir de novembro e até janeiro de 2016 com uma redução da Taxa Social Única (TSU) em 0,75 pontos percentuais. A medida foi acordada no âmbito das negociações com os parceiros sociais, que aumentaram o salário mínimo nacional para os 505 euros, e […]

As empresas que pagam o salário mínimo aos seus trabalhadores contarão a partir de novembro e até janeiro de 2016 com uma redução da Taxa Social Única (TSU) em 0,75 pontos percentuais.

A medida foi acordada no âmbito das negociações com os parceiros sociais, que aumentaram o salário mínimo nacional para os 505 euros, e destina-se a entidades que empreguem trabalhadores “que auferiram a retribuição mínima mensal garantida entre janeiro e agosto de 2014”, segundo o diploma publicado em Diário da República no dia 20 de outubro.

A redução da taxa contributiva, de acordo com o diploma, “reporta-se às contribuições referentes às remunerações devidas nos meses de novembro de 2014 e janeiro de 2016, nas quais se incluem os valores devidos a título de subsídios de férias e de Natal”.

A redução da taxa contributiva é concedida oficiosamente pelos serviços de segurança social quando se verifiquem as condições de atribuição, à exceção dos casos de trabalhadores com contratos de trabalho a tempo parcial, cuja redução ficará dependente da apresentação de um requerimento por parte da entidade empregadora.

O financiamento desta medida de apoio é assegurado pelo Estado “mediante transferência para o orçamento da segurança social”, refere ainda o diploma.

O novo salário mínimo nacional, de 505 euros, que resultou de um acordo entre o Governo, as confederações patronais e a UGT, entrou em vigor a 1 de outubro.

 

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,