PremiumTudo a postos para a construção do novo aeroporto?

Considerando que 2019 foi feito de avanços decisivos nesta matéria, o Governo assume, na proposta de Orçamento do Estado para 2020, como uma das principais metas, arrancar com a construção do aeroporto do Montijo já no novo ano

Quando a 8 de janeiro deste ano a ANA e o Estado assinaram o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, com um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 para aumentar o atual aeroporto de Lisboa (aeroporto Humberto Delgado) e transformar a base aérea do Montijo num novo aeroporto, já se adivinhavam muitas horas de discussão e muito, mesmo muito, já se esgrimiram argumentos a favor e contra.

Mas agora, a dias da emissão da Declaração de Impacto Ambiental (DIA) favorável e da reorganização do espaço aéreo militar, parece estar tudo a postos para ser lançada a primeira pedra do novo aeroporto.

Considerando que 2019 foi feito de avanços decisivos nesta matéria, o Governo assume, na proposta de Orçamento do Estado para 2020, como uma das principais metas, arrancar com a construção do aeroporto do Montijo já no novo ano.

Recorde-se que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) emitiu recentemente a proposta de DIA relativa ao aeroporto do Montijo e, tendo a decisão sido “favorável condicionada”, viabilizando o projeto e decorrendo um “período de 10 dias úteis para audiência de interessado”.

Esta proposta inclui um pacote de medidas de minimização e compensação ambiental que ascende a cerca de 48 milhões de euros.

A marcha rumo à construção foi reforçada pela ANA – Aeroportos de Portugal que entretanto se pronunciou sobre a proposta de DIA, sublinhando concordar com a maioria das propostas indicadas pela APA para mitigar o impacto ambiental do novo aeroporto. Ressalvando que algumas das medidas requerem um debate mais aprofundado para avaliação da sua exequibilidade e benefício ambiental, a gestora dos aeroportos propôs ainda a criação de um fundo com um sistema de governança colegial que potencie ações de mitigação e compensação dos impactes ambientais das aeronaves.

O passo que se segue é conhecer a DIA final, que deverá ser emitida no dia 21 de janeiro de 2020.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.
Deloitte

Confiança das empresas na política fiscal do Governo desceu para mínimos de 2014, revela Deloitte

O estudo da Deloitte conclui “que uma maioria crescente dos empresários portugueses consideram o sistema fiscal complexo e ineficaz”. Sobre a competitividade e atratividade da economia portuguesa, os inquiridos elegem, como áreas de mudança mais importantes para a captação de investimento, a legislação laboral (48%) e a simplificação da burocracia em geral (47%).
Comentários