Turismo agrava maus resultados este ano com menos 76% de hóspedes e dormidas em novembro

Os resultados conhecidos esta quarta-feira confirmam o agravamento do já péssimo ano de 2020 para o turismo nacional, que viu menos 85,2% de dormidas por não-residentes em novembro. O Alentejo regista as menores quebras, com Lisboa a ser a região mais penalizada.

O sector do turismo nacional agravou a má prestação de 2020 em novembro, com perdas homólogas de 76,3% e de 76,7% nos hóspedes e dormidas, respetivamente, conforme reporta o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira.

Estes resultados comparam com os registados em outubro, quando estes indicadores haviam caído 59,7% nos hóspedes e 63,3% nas dormidas, o que confirma a pior performance do turismo português em novembro. Em termos absolutos, novembro registou 415,7 mil hóspedes e 950,5 mil dormidas.

Outro resultado preocupante prende-se com os 46,4% de estabelecimentos que estiveram fechados ou não receberam hóspedes durante o de novembro, um resultado pior do que no mês anterior, quando este número atingiu os 32,1%.

Decompondo por nacionalidade de origem dos hóspedes, constata-se que o mercado nacional até aguentou melhor, com menos 58,6% de residentes a pernoitarem num estabelecimento de turismo do que em igual período do ano passado. Relativamente aos não-residentes, as perdas foram de 85,2%. Em outubro, estes indicadores haviam registado variações de -21,7% e -76,4%, respetivamente.

O Alentejo continua a ser a região do país onde as perdas têm sido menos expressivas, com 55,2% menos dormidas do que em novembro de 2019, sendo que Lisboa é onde o impacto da pandemia mais se faz sentir, com menos 83,7% de dormidas em termos homólogos.

Ainda assim, em termos do mercado interno, as regiões autónomas da Madeira e dos Açores têm conseguido manter as quebras mais baixas de dormidas por residente, com -46,8% e -47,9%, respetivamente.

Em termos de não-residentes, todos os principais mercados emissores registaram quebras consideráveis que ultrapassaram os 70%.

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.
Comentários