Turismo de compras subiu 50% em Lisboa com a Web Summit

Turistas da Austrália, Canadá, São Tomé, Hong Kong e Japão constituíram agradáveis surpresas. O Amoreiras ganhou a guerra dos centros comerciais.

Foto: Cristina Bernardo

O turismo de compras na cidade de Lisboa aumentou mais de 50% durante a Web Summit, de acordo com os dados hoje divulgados pela Global Blue, líder mundial na gestão de operações ‘tax free’ (sem impostos).

Para este aumento contribuíram nacionalidades que habitualmente não fazem parte do ‘top 5’ das que mais compram em Lisboa.

Por exemplo, das 163 nacionalidades que o evento trouxe a Lisboa, foi dos canadianos que veio um maior aumento, com mais 131% em compras, face ao período homólogo.

Entre os ‘habitués’, coube aos brasileiros, o maior aumento em compras, com uma subida de 160%.

Quanto a compras em valor, o destaque vai para os turistas japoneses, que subiram para o quinto lugar, atrás dos angolanos, brasileiros, chineses e americanos.

Ao nível do valor da compra média, os dados apurados pela Global Blue revelam que o impacto da Web Summit em Lisboa foi surpreendente, tendo sido da responsabilidade dos turistas australianos a compra média mais elevada, no valor de 1.822 euros.

Ainda com surpresa, a seguir ficaram os turistas são-tomenses, chineses de Hong Kong e mexicanos, com compras médias de 1.483, 1.482 e 1.403 euros, respetivamente.

Os turistas chineses ocuparam a quinta posição, com compras médias de 1.024 euros.

Renato Lira Leite, Managing Director da Global Blue, salienta, em comunicado, que “a Web Summit também impactou positivamente a cidade de Lisboa, através do turismo de compras, nomeadamente porque trouxe compradores de países que habitualmente não têm Lisboa como destino das suas compras”.

“Isto significa que existem mercados com elevado potencial para Portugal ao nível do turismo de compras e que, em conjunto, devemos explorar de forma mais estruturada”, defendeu este responsável da Global Blue.

O Amoreiras Shopping Centre foi o espaço comercial da capital com o maior crescimento em compras – mais 121% – durante a Web Summit, também quando comprado com o período homólogo.

Ao Amoreiras seguiu-se a Avenida da Liberdade, com mais 56%; e a baixa e o aeroporto, ambos com mais 52% de compras.

O Centro Comercial Colombo apresentou uma subida de mais 45%, enquanto o Centro Comercial Vasco da Gama viu as compras aumentarem 35%.

A Global Blue foi o único operador ‘tax free’ a fazer uma campanha durante o Web Summit, com promotoras e animadores na zona do evento que, além de prestarem informação sobre as vantagens associadas às compras ‘tax free’, fizeram a distribuição de ‘flyers’ temáticos nos hotéis na cidade de Lisboa.

A Global Blue introduziu o conceito de ‘tax-free shopping’ há 35 anos e reclama que desde então tem mantido a liderança neste mercado associado ao turismo de compras.

A Global Blue colabora com mais de 270.000 retalhistas do mundo, marcas e hotéis em 43 países do Mundo e serve mais de 100.000 viajantes todos os dias.

 

Recomendadas

Restaurantes da AHRESP vão assegurar alimentação dos peregrinos da Jornada Mundial da Juventude

A AHRESP vai apoiar a Fundação na “definição das regras de funcionamento da rede de restaurantes e similares que irão assegurar o fornecimento de refeições para os participantes da Jornada Mundial da Juventude e contactar restaurantes e similares para promover a sua adesão à rede, bem como promover o uso do Guia de Boas Práticas da Restauração e Bebidas junto da rede”, lê-se no comunicado.  

AHRESP: “O sector ainda está muito aquém das potencialidades das ferramentas digitais”

A secretária-geral da AHRESP diz, ao Económico Madeira, que para produzir riqueza é preciso existir “condições e ambientes” favoráveis. “Se esmagamos as empresas com um conjunto de encargos, custos de contextos, impostos, as empresas não conseguem produzir riqueza. E como elas foram criadas para isso então fecham as portas. Então nem emprego nem riqueza”, reforça Ana Jacinto.

AHRESP: “A nossa economia só cresce se o turismo crescer”

A secretária-geral da AHRESP diz, ao Económico Madeira, que é preciso ter um turismo que deixe “mais valor e que deixe mais receitas” no país, e salienta que o sector é a locomotiva da economia.
Comentários