Turismo de Portugal selecionou 38 startups com projetos de investimento para aumentar a procura no interior do país

Até meados de janeiro de 2021, as equipas serão acompanhadas e apoiadas na construção dos 38 projetos de investimento, dos quais serão selecionados um grupo de finalistas. A 7 de fevereiro, haverá em Coruche a Grande Final em que serão apurados os vencedores.

O Turismo de Portugal e a Territórios Criativos selecionaram 38 ‘startups’ e 66 empreendedores com projetos de investimento para construir projetos turísticos competitivos com 40 mentores com o objetivo de aumentar a procura turística no interior do país.

“Os motes são a sustentabilidade dos territórios e a promoção da economia circular. O Turismo de Portugal e os Territórios Criativos selecionaram 38 ‘startups’ que irão receber formação e mentoria por parte de especialistas em turismo, empresários, investidores e académicos”, destaca um comunicado conjunto destas duas instituições.

Desenhado para ser presencial, o ‘Bootcamp decorreu ‘online’ devido à Covid-19, nas passadas quinta e sexta-feira, respetivamente, idas 10 e 11 de dezmbro, tendo contado no primeiro dos dias com a secretária de Estado da Valorização do Interior, na abertura do centro de operações, em Alvaiázere.

As 38 ‘startups’ selecionadas com projetos para aproveitar o aumento de procura turística no interior devido à pandemia da Covid-19, iniciaram a 10 e 11 de dezembro o ‘Green Up’, o programa de ideação em turismo promovido pelos Territórios Criativos e pelo Turismo de Portugal, tendo sido proporcionados dois dias intensivos de mentoria e formação aos jovens empreendedores.

As ‘startups’ que participaram no ‘Green Up’ foram selecionadas entre mais de cem candidatas constituídas por empreendedores de todo o país formados em turismo, integrando várias delas estudantes que ainda frequentam licenciaturas e mestrados.

“Propõem soluções B2B (‘Business to business’, dirigidas a empresas) que apoiem empresas do setor no cumprimento das metas de sustentabilidade definidas pelo Turismo de Portugal. A sustentabilidade dos territórios e a promoção da economia circular são os pilares deste programa”, destaca o referido comunicado.

“Estava previsto que os dois dias de ‘Bootcamp’ fossem presenciais em Alvaiázere, mas a evolução da pandemia em Portugal e as regras do Estado de Emergência obrigaram-nos a pedir aos 66 empreendedores envolvidos e aos seus 40 mentores que permanecessem nos seus escritórios e nas suas casas ao longo da ação”, afirma Luís Matos Martins, CEO dos Territórios Criativos, a empresa de consultadoria e de apoio ao empreendedorismo que organiza o ‘Green Up’ para o Turismo de Portugal.

“Fizemos exatamente o que estava previsto, com a diferença de as sessões coletivas e as interações mentores-empreendedores terem de ser feitas por ‘zoom’”, exdplicou este responsável.

Segundo esta nota, “cada ‘startup’ selecionada recebeu em sua casa um ‘Kit Empreendedor’ com o ‘StartUp Academy Plan’, uma metodologia de ‘design thinking’ desenvolvida pelos Territórios Criativos para ajudar os empreendedores na estruturação dos seus projetos”.

Na quinta-feira passada, todas as equipas acompanharam ‘online’ as sessões que os Territórios Criativos produziram e geriram a partir da plataforma empresarial ‘Alvaiázere+’.

Depois da sessão de abertura, na qual participaram a presidente da Câmara de Alvaiázere, Célia Marques, e a secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira, arrancaram as sessões temáticas de ‘Design Thinking e Criatividade’, de ‘Marketing Estratégico’, de ‘Sustentabilidade Económica’, de ‘Finanças e de Marketing Operacional’.

“O interior de Portugal revelou-se um conjunto de regiões que aumentou a sua competitividade enquanto território desde o início da pandemia da Covid-19, o que lhe tem valido uma procura histórica em termos de turismo e de restauração, ao contrário do que sucede nas zonas turísticas tradicionais”, afirma o CEO dos Territórios Criativos.

Segundo Luís Matos Martins, “esta competitividade tem de ser posta ao serviço da fixação de pessoas nos seus territórios de origem e da aceleração da economia local, criando novas oportunidades no setor do turismo: é exatamente isso que o ‘Green Up’ irá promover e desenvolver”.

O ponto alto do ‘Bootcamp’ do ‘Green Up’ ocorreu na tarde de sexta-feira, com a sessão de ‘Speed Mentoring’, na qual todas as ‘startups’ farão pequenas apresentações – ‘pitch’ – dos seus projetos a cada um dos 40 mentores que participam nesta edição do ‘Green Up’.

A lista de mentores é constituída por especialistas em turismo, empresários, investidores e académicos, os quais irão avaliar individualmente as apresentações uma a uma, comentando-as e dando conselhos e sugestões a cada uma das equipas empreendedoras.

“Depois, até meados de janeiro de 2021, as equipas serão acompanhadas e apoiadas na construção dos 38 projetos de investimento, dos quais serão selecionados um grupo de finalistas. Então, a 7 de fevereiro, haverá em Coruche a Grande Final em que serão apurados os vencedores”, assegura o comunicado em questão.

“O aumento de procura turística no interior só será bem aproveitado por novos empreendedores se os investimentos potenciarem os produtos e os serviços locais, ou seja: se qualificarem a oferta turística adaptando-a à identidade de cada território”, afirma Luís Matos Martins.

Na opinião deste responsável, “isso implica lógicas de economia circular e de sustentabilidade, seguindo os objetivos de desenvolvimento sustentável [ODS] das Nações Unidas”.

“Só com essas lógicas se conseguirá qualificar uma oferta turística que seja competitiva e sustentável nos tempos em que vivemos”, garante Luís Matos Martins.

Recomendadas

Klarna permite pagamentos faseados em 870 marcas em Portugal

Prestes a completar o primeiro ano de operação em Portugal, a fintech sueca ultrapassou a marca dos 200 mil utilizadores nacionais da aplicação que permite dividir os pagamentos em três fases.

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.
Comentários