Turismo. Edifício termal de Meda reconvertido para hotel

O Hotel de Longroiva abre no final do mês, avança o jornal O Interior, citado pelo site beira.pt. O grupo Natura Empreendimento contratou o arquiteto Luís Rebelo de Andrade para redesenhar a unidade. O antigo edifício termal foi transformado em hotel de charme que ligará às termas através da encosta. O investimento é da ordem […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Hotel de Longroiva abre no final do mês, avança o jornal O Interior, citado pelo site beira.pt. O grupo Natura Empreendimento contratou o arquiteto Luís Rebelo de Andrade para redesenhar a unidade. O antigo edifício termal foi transformado em hotel de charme que ligará às termas através da encosta. O investimento é da ordem dos cinco milhões de euros.

Longroiva está a semanas de entrar nos roteiros da arquitetura contemporânea e da hotelaria de charme e design graças ao hotel que a Natura Empreendimento está a ultimar junto ao complexo termal desta aldeia do concelho da Mêda, refere o site beira.pt.

O projeto aproveita a encosta para ligar o passado do local, através da transformação do antigo edifício termal em hotel de charme, à modernidade de uma solução que integra na paisagem quartos, bungalows e o acesso às termas.

Esta será uma unidade de quatro estrelas, mas com as valências de um cinco estrelas, avança o diretor de marketing do promotor, Ricardo Abreu. O responsável destaca o design “bastante inovador” do projeto de Rebelo de Andrade – autor de obras emblemáticas como as Tree Snakes Houses, o eco-resort Pedras Salgadas ou a casa, em Lisboa, totalmente revestida de vegetação –, que “tornou quase invisível” a ala moderna do edifício.

O hotel terá 34 quartos (singles e duplos) e dez bungalows vocacionados para as famílias, um restaurante, duas salas de eventos e uma piscina exterior aquecida com água geotermal cuja temperatura média é de 40 graus centígrados todo o ano. A sua construção resulta de um investimento de cerca de cinco milhões de euros, comparticipados por fundos comunitários e nacionais, e será a primeira unidade hoteleira desta zona do Douro Superior.

Os promotores optaram ainda por usar materiais amigos do ambiente na construção, como a madeira e materiais biodegradáveis, para reduzir ao máximo a pegada ambiental: “está preparado para ser eco-hotel, o que também é uma mais-valia nos tempos que correm», acredita o diretor comercial e marketing da promotora. A Natura Empreendimento é uma sociedade formada pelo grupo CivilCasa, de Paulo Martins, e pela construtora da Mêda Anciães Amado & Filhos Lda, dos irmãos José e João Amado.

A Natura Empreendimentos foi a única entidade a participar na hasta pública promovida pela Câmara da Mêda, em abril de 2013, para concessionar a gestão do polo termal de Longroiva.

O grupo já tinha garantido a construção do hotel termal e vai agora gerir a unidade nos próximos 30 anos, pagando uma renda anual de 15 mil euros ao município. Atualmente, a empresa gere as termas do Cró, no concelho do Sabugal, onde construiu um hotel de quatro estrelas, inaugurado em junho passado.

Por Vítor Norinha/OJE

Recomendadas

Greve na CP e IP suprimiu 701 comboios até às 18h00

A greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP) levou à supressão de 701 comboios da CP entre as 00h00 e as 18h00.

Semapa aprova distribuição de reservas no montante de quase 100 milhões

Na Assembleia Geral Extraordinária da Semapa foi aprovada a proposta de distribuição de reservas no montante ilíquido por ação de 1,252 euros.

Bancos têm de cumprir reserva de fundos próprios de 0,25% a 1% em 2023

O BCP tem de ter uma reserva de 1%, tal como a CGD. O Santander e BPI têm de ter no seu rácio uma reserva de 0,5% e ao Banco Montepio é exigida uma reserva de 0,25%, tal como à Caixa de Crédito Agrícola. Sendo que todos têm de cumprir este ‘buffer’ a partir do dia 1 de janeiro de 2023, excepto o Crédito Agrícola.