Turismo. Hóspedes e dormidas em outubro superam em mais de 5% o registo pré-pandemia

O mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas (-2,7% face ao mesmo mês do ano passado), ao passo que os mercados externos somaram 4,9 milhões (+37,3%).

O sector do alojamento turístico registou 2,6 milhões de hóspedes e 6,8 milhões de dormidas em outubro, o que representa aumentos homólogos de 23,4% e 23,5%, respetivamente (face a aumentos de 41,1% e 37,2% em setembro). Em comparação com outubro de 2019, antes da pandemia, registaram-se evoluções de 5,0% e 6,2%, pela mesma ordem, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas (-2,7% face ao mesmo mês do ano passado), ao passo que os mercados externos somaram 4,9 milhões (+37,3%). Em comparação com o mesmo mês de 2019, as dormidas de residentes aumentaram 21,0% e as de não residentes 1,5%. Outubro foi, assim, o mês com o maior crescimento neste âmbito em comparação com 2019.

No conjunto dos primeiros dez meses de 2022, as dormidas dispararam 97,3% face ao período homólogo (+23,7% nos residentes e +177,9% nos não residentes). Em comparação com os mesmos dez meses de 2019, as dormidas sofreram um decréscimo de 1,6% (-6,0% nos não residentes e +9,0% nos residentes).

As dormidas na hotelaria (pesam 83,4% no total das dormidas) aumentaram 23,4% face ao mesmo mês do ano ano passado (+6,1% em comparação com 2019). No que diz respeito ao alojamento local (13,3% de quota), verificou-se uma evolução de 28,4% (+0,6% do que no último ano anterior à pandemia). Por último, o turismo no espaço rural e de habitação (3,2% do total) aumentou 9,0% (+45,2% em comparação com outubro de 2019).

Recomendadas

Mercado automóvel com crescimento homólogo de 43%

Em janeiro foram matriculadas 17.455 viaturas em Portugal. No caso dos ligeiros de passageiros, o aumento homólogo é de 48,4%, ao passo que se regista uma queda de 7,3% face a 2019.

Presidente da República envia para o Tribunal Constitucional decreto sobre associações públicas profissionais

Segundo uma nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado “considera que o decreto da Assembleia da República suscita dúvidas relativamente ao respeito de princípios como os da igualdade e da proporcionalidade, da garantia de exercício de certos direitos, da autorregulação e democraticidade das associações profissionais, todos previstos na Constituição da República Portuguesa”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários