Turismo impulsionou PIB das regiões de Lisboa, Algarve e Açores em 2019

Segundo o INE, para o crescimento real do PIB na Área Metropolitana de Lisboa, no Algarve e nos Açores contribuíram significativamente os ramos do comércio, transportes e alojamento e restauração, atividades relacionadas com o turismo e com relevância significativa na estrutura produtiva daquelas regiões,

A Área Metropolitana de Lisboa e o Algarve (ambas com um incremento de 2,6%), a Região Autónoma dos Açores (crescimento de 2,4%) e o Centro (evolução positiva de 2,3%) foram as quatro regiões do país que, em 2019, registaram um crescimento do PIB regional, em termos reais, acima da média nacional (2,2%). No Norte o crescimento foi idêntico ao do país. Já na Região Autónoma da Madeira e no Alentejo registaram-se variações mais ligeiras (0,8% e 0,6%, respetivamente).

Os números, que surgem nos dados preliminares das contas regionais de 2019 elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), e divulgado esta terça-feira, informam que para o crescimento real do PIB em Lisboa, no Algarve e nos Açores contribuíram significativamente os ramos do comércio, transportes e alojamento e restauração, atividades relacionadas com o turismo e com relevância significativa na estrutura produtiva daquelas regiões, que registaram aumentos do valor acrescentado bruto (VAB), em volume, de 4,8%, 3,7% e 6,5%, respetivamente.

Já o Norte, que embora tenha registado uma evolução do PIB idêntica à do país, registou um decréscimo de 0,7% no VAB do ramo da indústria e energia, a principal atividade na região.

Quanto às contas regionais concluídas referentes a 2018, o INE informa que o PIB do país registou uma variação nominal de 4,7% e real de 2,8%. Em termos nominais, o PIB apresentou uma variação positiva em todas as regiões, mais acentuada no Norte (5,6%) e no Algarve (5,5%), as únicas com crescimento superior à média nacional. A Área Metropolitana de Lisboa (4,6%) e o Centro (4,5%) apresentaram aumentos nominais ligeiramente inferiores à média nacional. As Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira e o Alentejo, com 4,2%, 3,3% e 2,0%, respetivamente, registaram as menores variações, sendo a do Alentejo a menos expressiva.

O crescimento económico na Madeira continuou a ser influenciado em grande medida pela diminuição da atividade turística na região e, em menor grau, pela redução da atividade dos serviços prestados às empresas.

No Alentejo, o crescimento pouco expressivo do PIB foi, em grande medida, determinado pela contração significativa da atividade do ramo da indústria e energia, em particular em unidades de grande dimensão do setor petroquímico instaladas no complexo portuário, industrial e logístico de Sines

Recomendadas

Turismo. Hóspedes e dormidas em outubro superam em mais de 5% o registo pré-pandemia

O mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas (-2,7% face ao mesmo mês do ano passado), ao passo que os mercados externos somaram 4,9 milhões (+37,3%).

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Vendas no comércio a retalho cresceram 0,5% em volume no mês de outubro

O agrupamento dos produtos alimentares registou uma queda homóloga de -3,2% no mês em análise (-0,2% em setembro). Por outro lado, nos produtos não alimentares observou-se um crescimento de 3,5% (4,3% em setembro).
Comentários