Turismo manteve crescimento no ano passado. Dormidas aumentaram 45,2% face a 2020

O principal mercado emissor desse ano continua a ser o Reino Unido, que assegura 16,6% das dormidas de não residentes, e aumentou 54,6% face ao ano anterior, seguido do mercado espanhol (14,3%), do alemão (11,9%) e do francês (11,8%).

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou hoje que o sector do alojamento turístico registou 1,1 milhões de hóspedes e 2,6 milhões de dormidas em dezembro do ano passado, o que corresponde a crescimentos de 150,0% e 170,4% em relação ao mês anterior.

Na mesma nota com resultados preliminares, o INE refere que os níveis registados nesse mês foram inferiores aos de dezembro de 2019, associados a reduções de 28,9% nos hóspedes e 26,7% nas dormidas.

“Em dezembro, o mercado interno contribuiu com 1,1 milhões de dormidas (+92,6%) e os mercados externos totalizaram 1,5 milhões (+292,5%). Face a dezembro de 2019, registaram-se diminuições quer nas dormidas de residentes (-12,2%), quer nas de não residentes (-34,9%)”, é detalhado no mesmo boletim de estatísticas rápidas.

De acordo com o INE, em dezembro, 36% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (34,8% em novembro).

Dados preliminares para o conjunto do ano passado indicam ainda que os estabelecimentos de alojamento turístico registaram 14,5 milhões de hóspedes e 37,5 milhões de dormidas, que se traduziram em aumentos de 39,4% e 45,2% (-61,6% e -63,2% em 2020, respetivamente). Contudo, face a igual período de 2019, o número de hóspedes caiu 46,4% e as dormidas diminuíram 46,6% (-10,9% nos residentes e -62,0% nos não residentes).

O INE revela ainda que o ano passado ficou marcado por uma quebra nas dormidas em todas as regiões face aos números de 2019, devido às reduções dos não residentes, tendo-se, contudo, registado crescimentos nas dormidas de residentes na RA Madeira (+19,2%) e no Algarve (+5,1%).

O principal mercado emissor desse ano continua a ser o Reino Unido, que assegura 16,6% das dormidas de não residentes, e aumentou 54,6% face ao ano anterior, seguido do mercado espanhol (14,3%), do alemão (11,9%) e do francês (11,8%).

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Portugal tem mostrado algum atraso em relação ao resto da zona euro no que respeita à pressão nos preços, continuando numa dinâmica de aceleração que se estende ao indicador subjacente, levantando mais preocupações quanto à duração e extensão do fenómeno na economia nacional.

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.
Comentários