Turismo em Portugal com crescimento recorde

Turismo em Portugal registou o maior crescimento no Mediterrâneo.

Rafael Marchante/Reuters

O turismo em Portugal está a atravessar uma fase de expansão, com um crescimento 11,5% na atividade turística em 2016, face ao ano passado, disse ontem a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.
“Estamos a viver bons momentos. Portugal registou um crescimento muito significativo em relação ao ano passado”, anunciou na terça-feira a secretária de Estado, durante uma audição na comissão parlamentar de economia. A também antiga vice-presidente do Turismo de Portugal fez um balanço da atividade do presente ano e assumiu que é impreterível que os momentos “não sejam efémeros”.

O setor do turismo português assenta numa linha de estratégias dinamizadoras que têm dado frutos e posicionam Portugal nos lugares cimeiros das opções turísticas, no contexto dos países mediterrânicos. De acordo com informação dada a conhecer pela secretária de Estado do Turismo, o número de voos e de passageiros duplicou em dez anos, de 2005 a 2015. No que diz respeito ao emprego, o crescimento de 11,5% do turismo português possibilitou gerar 40.000 postos de trabalho. Quanto à estada em Portugal, o número médio de dias subiu de 3,1 para 3,8 dias em dez anos.

Durante a comissão parlamentar de economia foram divulgados os programas que suportam financeiramente as empresas turísticas. As empresas receberam um montante de 34 milhões para investimento na área turística e 230 projetos do setor receberam “luz verde”.

A secretária de Estado defendeu, ainda, “uma atividade turística sustentada que gere riqueza e emprego ao longo do ano”.

Recomendadas

Agência Abreu distinguida em três categorias dos World Travel Awards

Empresa recebeu os prémios de Melhor Agência de Viagens, Melhor Agência de Viagens Online e Melhor Destination Management dos candidatos portugueses.

Airbnb. Anfitriões portugueses com casas em zonas vinícolas receberam mais de um milhão no segundo trimestre

No acumulado do semestre, o número de anfitriões nessas áreas cresceu mais de 70% face ao mesmo período do ano anterior. De abril a junho, um anfitrião típico de uma zona vinícola recebeu em média mais de 2.300 euros.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.
Comentários