Turistas britânicos podem ficar proibidos de entrar na União Europeia a 1 de janeiro

“O Reino Unido não é parte do espaço Schengen e, com o fim do período de transição, vai deixar de ser tratado como se fosse um Estado-membro”, apontou um funcionário da Comissão Europeia à “CNN”. Em causa estão os planos anti-Covid.

Aeroporto de Heathrow, Londres | Richard Heathcote/Getty Images

Os turistas britânicos podem ser proibidos de entrar na União Europeia a partir do próximo dia 1 de janeiro, quando o Brexit entrar efetivamente em vigor, revela a “BBC”. Esta regra é geral para toda a União Europeia e deve-se ao Covid-19, uma vez que as restrições em vigor proíbem viagens não essenciais para a Europa devido ao contágio.

Desta forma, todos os britânicos que se queiram deslocar para o espaço da União Europeia têm de ter justificação plausível, existindo 11, como uma viagem de trabalho, ser profissional de saúde, diplomatas ou estando a viajar por motivos familiares inadiáveis. No entanto, a “CNN” aponta que as restrições entram em vigor mesmo que os dois lados das negociações cheguem a um acordo.

“O Reino Unido não é parte do espaço Schengen e, com o fim do período de transição, vai deixar de ser tratado como se fosse um Estado-membro”, apontou um funcionário da Comissão Europeia à “CNN”, acrescentando que já deu entrada uma recomendação para que o Reino Unido fique na lista das restrições no que toca a viagens.

Desde o início da pandemia que apenas os viajantes de países com pequenas taxas de infeção são considerados qualificados para as viagens não essenciais, não necessitando de autorização e podendo voar livremente. De acordo com o mesmo funcionário da Comissão Europeia, atualmente existem apenas oito países na lista de aprovação e não existem planos para adicionar o Reino Unido.

O secretário dos Negócios Estrangeiros britânico, Dominic Raab, apontou que o Reino Unido já está à espera que a União Europeia e os seus estados membros apliquem restrições “inevitáveis” às livres viagens, estando a ponderar uma solução apesar das negociações continuarem em cima da mesa, existindo a possibilidade de uma mudança.

Uma das alternativas já estudadas pelo Reino Unido é que os países membros, de forma individual, se sobreponham às regras da União Europeia e criem corredores aéreos exclusivos para o Reino Unido, como foi feito no verão.

Recomendadas

Itália: Velha guarda da Liga Norte pede cabeça de Salvini após revés

A velha guarda da Liga Norte, transformada em Liga com Matteo Salvini como líder, criticou-o duramente após o revés nas legislativas de domingo.

Agência de Energia e Irão retomam contacto em Viena

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, reuniu-se com o chefe do programa nuclear iraniano, Mohammad Eslami, para retomar os contactos e esclarecimentos.

São Tomé: CPLP diz que comissão eleitoral é soberana na divulgação de resultados

O chefe da missão de observação eleitoral da CPLP, o embaixador Rafael Vidal, disse que a lei são-tomense não obriga à divulgação dos resultados provisórios antes da contagem nos distritos.
Comentários