Turkish Airlines e Boeing chegam a acordo de 200 milhões de euros por danos causados pelo 737 Max

Os Boeing 737 MAX estão sem levantar voo desde março, depois de dois acidentes na Indonésia e na Etiópia terem causado a morte de 346 pessoas em cinco meses, que já custaram à construtora de aviões mais de oito mil milhões de euros até agora.

Justin Lane / EPA

A Turkish Airlines e a Boeing concordaram chegaram a um acordo para compensar algumas perdas causadas pelas aeronaves Boeing 737 Max que se encontram em terra desde março e não foram entregues, informou a companhia aérea turca esta terça-feira, 31 de dezembro, conta a agência “Reuters”.

O comunicado enviado à bolsa de valores de Istambul não especificou o valor do acordo, mas o jornal “Hurriyet” indica que ronda os 200 milhões de euros.

A Turkish Airlines possui 24 aviões Boeing 737 MAX na sua frota. Os Boeing 737 MAX estão sem levantar voo desde março, depois de dois acidentes na Indonésia e na Etiópia terem causado a morte de 346 pessoas em cinco meses, que já custaram à construtora de aviões mais de oito mil milhões de euros até agora.

Em dezembro, uma reportagem da imprensa turca informou que a Turkish Airlines estava a preparar-se para abrir um processo judicial contra a Boeing pelas perdas causadas à transportadora aérea.

A Boeing reconheceu este mês que não será capaz de atingir as suas metas para 2019 e anunciou que interromperá a produção do 737 MAX em janeiro. Situações que levaram a Boeing a demitir o seu chefe-executivo Dennis Muilenburg, na semana passada.

Recomendadas

Cepsa investe 3.000 milhões em Espanha em maior projeto europeu de hidrogénio verde

O projeto Vale do Hidrogénio Verde Andaluz contempla dois centros de produção deste gás, gerado a partir de energias renováveis e menos poluentes (eólica e solar) e considerado estratégico para a designada “transição ecológica”, por poder ser um substituto dos combustíveis fósseis.

GamaLife compra unidade da Zurich em Itália

A GamaLife concluiu a aquisição de uma unidade de negócio da Zurich em Itália, incluindo uma carteira de apólices em vigor de seguro de vida e de pensões.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.
Comentários