Turquia estreita laços com o Paquistão

A assinatura de um acordo para aumentar o comércio bilateral é considerada uma alavanca para aproximar os dois países islâmicos, o que pode ser fundamental para reequilibrar forças antagónicas na região.

Recorrer a um médico na Turquia para prestar cuidados de saúde a viajantes, pode chegar a 62.486 euros.

Turquia e Paquistão assinaram esta sexta-feira um acordo comercial destinado a aumentar o comércio bilateral para valores próximos dos cinco mil milhões dos cinco mil milhões de euros, mas é o lado político do acordo que os analistas preferem tomar como foco.

A aproximação entre os dois países islâmicos parece obedecer a uma logica de incremento da Turquia como potência regional – um elemento central da estratégia de aprofundamento do caráter presidencialista do regime, tão ao gosto de Recep Erdogan. Mas, para os analistas, é esta aproximação que poderá permitir que o diálogo com o Paquistão, sempre extremamente difícil, possa beneficiar a relação de forças que se estabeleceu na região.

O maior desafio é com certeza o relacionamento entre o Paquistão e a Índia – marcado por uma forte tensão – mas as complexas relações entre o Paquistão e o Afeganistão também fazem parte das preocupações centrais da comunidade internacional.

O interesse da Turquia – que por estes dias tem dado lições de diplomacia ao mundo – pode ser um importante catalisador das mudanças.

A cerimónia de assinatura do acordo deu-se na capital do Paquistão, Islamabad, e contou com a presença do primeiro-ministro Shahbaz Sharif, do ministro do Comércio do Paquistão, Syed Naveed Qamar, e do seu homólogo turco, Mehmet Muş. O acordo comercial foi gizado durante uma visita de Sharif a Ancara, em junho passado.

“Hoje assinámos o Acordo de Comércio de Bens, que abrirá muitas oportunidades entre os nossos dois grandes países”, disse o primeiro-ministro paquistanês, citado pela imprensa turca. “A assinatura deste acordo levará a alcançar patamares muito mais altos em termos de comércio e investimento“, acrescentou.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários