Turquia prevê saída de primeiro navio de cereais ucraniano esta segunda-feira

“Os navios estão carregados. Está tudo pronto. Há algumas complicações menores. O primeiro navio pode sair amanhã de manhã”, disse o porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin.

O Governo turco anunciou este domingo que o primeiro navio carregado de cereais ucranianos deverá sair esta segunda-feira do porto, no âmbito do acordo de um corredor para a exportação dos grãos da Ucrânia.

“Os navios estão carregados. Está tudo pronto. Há algumas complicações menores. O primeiro navio pode sair amanhã [segunda-feira] de manhã”, disse o porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, durante uma entrevista à emissora turca Canal 7.

Graças à mediação da Turquia, Moscovo e Kiev assinaram em Istambul, em 22 de julho, um acordo que prevê a exportação de cerca de 22 milhões de toneladas de cereais de três portos ucranianos: Odessa, Pivdennyi e Chornomorsk.

Os rebocadores ucranianos levarão comboios marítimos ao longo de uma rota sem perigo, livres de minas flutuantes, e os navios da marinha turca farão a escolta até Bósforo.

Desde a assinatura do acordo que funciona em Istambul um centro de coordenação e supervisão desta rota marítima, com 20 representantes, tanto civis como militares, enviados pela Rússia, Ucrânia, Turquia e Nações Unidas.

Recomendadas

PremiumIdade da reforma deverá voltar a subir, depois do impacto da covid-19

A pandemia provocou um recuo inédito da idade da reforma em Portugal, mas esta deverá voltar a crescer, nos próximos anos, à medida que se atenuam os efeitos da covid na esperança de vida.

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.
Comentários