Twitter. Funcionários de alta hierarquia estão a demitir-se e confusão instala-se sobre mudanças na rede social

Depois de Musk ter demitido 3.700 funcionários, agora diretores de segurança e de privacidade despediram-se.

A polémica em torno de Elon Musk e do Twitter continua e desta vez funcionários da alta hierarquia estão a demitir-se, ao mesmo tempo que as regras sobre contas verificadas continuam a mudar, segundo a “BBC”.

“Tomei a difícil decisão de deixar o Twitter”, twittou a diretora de segurança Lea Kissner, que supostamente deixou o cargo com outros executivos importantes de privacidade ou segurança.

Por sua vez, Yoel Roth, diretor de segurança e integridade do Twitter, renunciou apenas um dia depois de defender firmemente a política de moderação de conteúdo de Musk para os anunciantes. Roth foi o rosto público da moderação de conteúdo do Twitter depois de Musk ter assumido.

A saída repentina do diretor de segurança e integridade, da diretor de segurança da informação e dos diretores de privacidade é um desenvolvimento dramático. Não está claro em quanto tempo vai demorar para serem substituídos, enquanto a empresa permanece instável e com cortes de empregos radicais que já foram feitos.

Durante as primeiras semanas como CEO, Musk demitiu cerca de 3.700 funcionários, mas não falou com a maioria dos que permaneceram no Twitter. No primeiro e-mail aos trabalhadores advertiu: “O caminho à frente é árduo e exigirá um trabalho intenso para ter sucesso”. “Sem uma receita significativa de assinaturas, há uma boa hipótese do Twitter não sobreviver à próxima crise econômica”, disse ele.

Já no Twitter Musk escreveu que “o Twitter fará muitas coisas estúpidas nos próximos meses. Vamos manter o que funciona e mudar o que não funciona”.

 

 

Recomendadas

Sonae vende 50% da MDS à britânica Ardonagh e encaixa 104 milhões

A operação garante ao grupo português uma mais-valia de 79 milhões.

Metro do Porto diz a Moreira que já formalizou “aceleração da empreitada” da Linha Rosa

Em 10 de novembro, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira manifestou-se preocupado com o “impacto profundamente negativo” da construção da nova Linha Rosa da Metro do Porto que, defende, apresenta “excessivos atrasos” em “praticamente todas as frentes”, revela um ofício enviado à empresa.

Altri quer abrir fábrica de fibras têxteis na Galiza

Para preparar a mudança, a empresa já está a cumprir várias etapas, com a realização de estudos sobre o impacto ambiental e planos de engenharia e viabilidade económica.
Comentários