Ucrânia abre investigação sobre ponte ferroviária da Rússia para a Crimeia

Vladimir Putin disse que 14 milhões de passageiros e 13 milhões de toneladas de carga deverão atravessar a ponte no próximo ano.

Ucrânia

Autoridades ucranianas abriram esta quarta-feira uma investigação criminal depois de um comboio de passageiros da Rússia ter chegado à Crimeia, através de uma nova ponte construída na região russa, argumentando que transportava ilegalmente pessoas através da fronteira com a Ucrânia.

No início da semana, o presidente russo inaugurou a ponte ferroviária para a Crimeia, que a Rússia anexou em 2014. Vladimir Putin disse que 14 milhões de passageiros e 13 milhões de toneladas de carga deverão atravessar a ponte no próximo ano.

O comboio chegou a Sebastopol a partir de São Petersburgo, a segunda maior cidade da Rússia.

A Rússia anexou a Crimeia, antes pertencente à Ucrânia, alegando que os habitantes da península votaram para se juntar à Rússia, uma ação que provocou uma ampla censura internacional, incluindo sanções dos EUA e da União Europeia.

O governo ucraniano disse repetidamente que a nova ponte foi construída numa clara violação das leis internacionais.

Em outubro de 2018, os promotores abriram um processo criminal contra as empresas envolvidas na sua construção.

Recomendadas

Furacão Ian. Autoridades dos EUA esperam consequências “catastróficas”

O Estado norte-americano da Florida prepara-se hoje para a chegada do furacão Ian, que devastou o oeste de Cuba e que está “a intensificar-se rapidamente”, podendo ter consequências “catastróficas”, segundo os serviços meteorológicos locais.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Zelensky diz que não haverá paz enquanto Putin for líder da Rússia (com áudio)

No seu discurso noturno habitual à nação, Zelensky compara os mais recentes referendos ao que foi efetuado na Crimeia e garante que anexar território ucraniano significará “que não há nada para conversar com este presidente da Rússia”.
Comentários