Ucrânia: Agência nuclear ucraniana acusa Rússia de bombardear central de Zaporijia

Pouco depois de Moscovo ter acusado Kiev de atacar a central nuclear de Zaporijia, a agência nuclear ucraniana acusou os russos de bombardearem esse local.

Volodymyr Zelensky/Twitter

A agência nuclear ucraniana acusou hoje a Rússia de bombardear a central nuclear de Zaporijia, pouco depois de Moscovo ter acusado Kiev de atacar o local.

“Na manhã de 20 de novembro de 2022 [hoje], como resultado de numerosos bombardeamentos russos, pelo menos 12 ataques foram registados no local da central nuclear de Zaporizjia”, afirma a Energoatom, operadora estatal das centrais nucleares da Ucrânia, citada pela AFP.

A Energoatom acusa os russos de “mais uma vez organizarem chantagem nuclear e colocarem o mundo inteiro em risco”.

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, disse hoje que “fortes explosões” ocorreram na área da central nuclear de Zaporijia.

“A informação é extremamente perturbadora. As explosões ocorreram no local desta grande central nuclear, o que é totalmente inaceitável”, advertiu Rafael Grossi em comunicado.

A Rússia acusou hoje as forças ucranianas de terem realizado novos bombardeamentos contra a central nuclear de Zaporijia, no sul da Ucrânia, garantindo que o nível de radiação permanece “em conformidade com a norma”.

“O regime de Kiev não para as provocações para criar a ameaça de um desastre na central nuclear de Zaporijia”, a maior da Europa e militarmente ocupada pela Rússia, afirmaram os militares russos em comunicado.

Relacionadas

Ucrânia: Rússia acusa forças ucranianas de terem bombardeado central de Zaporijia

“O regime de Kiev não para as provocações para criar a ameaça de um desastre na central nuclear de Zaporizhzhia”, alertaram os militares russos este domingo.
Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários