Ucrânia: Alfândegas moçambicanas recuam em ordem que interditava navios russos

​​​​​​​A ordem foi emitida, mas dias depois foi anulada, em linha com a posição de neutralidade moçambicana no conflito.

A Direção Geral das Alfândegas de Moçambique recuou numa ordem de serviço que dava provimento a uma solicitação de autoridades norte-americanas para interdição nos portos moçambicanos a sete companhias marítimas e 69 navios russos, alvo de sanções.

​​​​​​​A ordem foi emitida, mas dias depois foi anulada, em linha com a posição de neutralidade moçambicana no conflito.

“Para o conhecimento geral de todos os funcionários destes serviços, despachantes aduaneiros e demais interessados, comunica-se que a Ordem de Serviço n.º 16/AT/DGA/900/2022, de 18 de agosto de 2022, fica sem efeito”, lê-se no documento, assinado pelo diretor-geral das Alfândegas, Aturai Tsama, e consultado hoje pela Lusa.

O documento de Aturai Tsama tem a data de 26 de agosto, oito dias depois da ordem de serviço que divulgou a solicitação das autoridades norte-americanas.

No pedido, os Estados Unidos solicitavam a Maputo “recusar o acesso aos portos nacionais bem como a não prestação de serviços por parte da indústria marítima e financeira a sete companhias marítimas e 69 navios da federação russa alvo de sanções adotadas pelos EUA, alegadamente envolvidas em atividades nocivas e associadas à invasão russa da Ucrânia”.

No primeiro momento, as alfândegas decidiram emitir a ordem de serviço a proibir a entrada de navios russos nas águas territoriais, após receberem um ofício do Ministério dos Transportes e Comunicações, por sua vez enviado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicano.

Entretanto, fonte das Alfândegas moçambicanas já tinha assegurado à Lusa que a ordem de serviço tinha sido anulada.

Moçambique tem-se pautado por uma posição de neutralidade no conflito Rússia-Ucrânia: tem apelado ao diálogo e absteve-se na votação na Assembleia Geral das Nações Unidas que condenou a guerra movida por Moscovo.

A Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder desde a independência em 1975, recebeu apoio militar e logístico da antiga União Soviética na guerra contra o colonialismo português e manteve relações estreitas com Moscovo depois da independência, no âmbito da cooperação entre os estados do extinto bloco comunista.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários