Ucrânia: Ancara propõe prolongar um ano acordo para exportar cereais do país

O ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, disse hoje que o seu país proporá o prolongamento por um ano do acordo para exportar cereais a partir dos portos ucranianos, que termina a 19 de novembro.

Em declarações à imprensa turca, Akar argumentou que se devem separar as questões humanitárias do conflito causado pela invasão russa da Ucrânia e defendeu a extensão do acordo por mais um ano.

Referindo-se a como a Rússia voltou recentemente ao acordo, depois de anunciar a sua saída devido a um ataque ucraniano ao porto de Sebastopol, Akar sublinhou os esforços diplomáticos realizados pelo Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

“Dissemos que os combates e as questões humanitárias são assuntos separados”, afirmou o ministro, acrescentando: “A Ucrânia deu uma garantia por escrito à Rússia graças à mediação da Turquia”.

O titular da Defesa turco precisou que pelo menos 431 navios cargueiros zarparam dos portos ucranianos e que os cereais exportados ultrapassam já os dez milhões de toneladas.

“Agora, temos intensificado os nossos esforços para a extensão do acordo sobre os cereais”, disse Akar, acrescentando: “Vamos propor o prolongamento do acordo por um ano”.

O acordo entre a Rússia e a Ucrânia – com a mediação da ONU e da Turquia – permitiu desbloquear a exportação de cereais e outros alimentos a partir dos portos ucranianos.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra, que hoje entrou no seu 257.º dia, 6.490 civis mortos e 9.972 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Ucrânia: OSCE necessária apesar de “prejudicada” pelo conflito, diz Josep Borrell

A OSCE “foi severamente prejudicada pela agressão russa contra a Ucrânia, que viola os princípios da organização”, disse Borrell, durante uma deslocação à cidade polaca de Brzeg (sul), onde visitou um centro de treino para soldados ucranianos.

Ucrânia: Comissão Europeia quer criminalizar subversão das sanções à Rússia na UE

“A Comissão Europeia apresenta hoje uma proposta para harmonizar as infrações penais e as penas pela violação das medidas restritivas da UE [pois], embora a agressão russa à Ucrânia ainda decorra, é primordial que as medidas restritivas da UE sejam plenamente aplicadas e que a violação dessas medidas não seja compensadora”, salienta a instituição em comunicado de imprensa.

Guerra mostra que UE “não é suficientemente forte”, diz primeira-ministra da Finlândia (com áudio)

A primeira-ministra da Finlândia afirmou hoje que a Europa “não é suficientemente forte” para fazer frente a Moscovo sozinha, numa avaliação “muito honesta” das capacidades europeias na sequência da invasão russa da Ucrânia.
Comentários