Ucrânia: Conselho da AIEA insta Rússia a abandonar central nuclear de Zaporijia

O Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) adotou hoje uma resolução em que pede à Rússia a retirada das suas forças da central nuclear ucraniana de Zaporijia, que tem sido palco regular de confrontos. As forças de Moscovo assumiram o controlo da central nuclear em 04 de março, logo após o […]

O Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) adotou hoje uma resolução em que pede à Rússia a retirada das suas forças da central nuclear ucraniana de Zaporijia, que tem sido palco regular de confrontos.

As forças de Moscovo assumiram o controlo da central nuclear em 04 de março, logo após o início da invasão russa da Ucrânia.

O texto, apresentado pela Polónia e Canadá, foi aprovado por 26 dos 35 estados que fazem parte deste conselho, com a Rússia e a China a votarem contra, referiu um diplomata à agência France-Presse (AFP).

Sete países também se abstiveram: África do Sul, Burundi, Egito, Índia, Paquistão, Senegal e Vietname.

“O Conselho de Governadores enviou uma forte mensagem à Rússia, instando-a a cessar imediatamente todas as ações que ameacem a segurança nuclear, a devolver a central de Zaporijia e todos os outros territórios ucranianos a Kiev”, referiu, através da rede social Twitter, o embaixador australiano Richard Sadleir.

A resolução também apoia os esforços da AIEA, que iniciou consultas com a Ucrânia e a Rússia para estabelecer uma zona de segurança dentro do perímetro da central.

O Conselho de Governadores tinha adotado uma primeira resolução no início de março, alertando contra “o risco de um acidente nuclear que colocaria em perigo a população da Ucrânia, os estados vizinhos e a comunidade internacional”.

Localizada no sul da Ucrânia, a central de Zaporijia, a maior da Europa, foi bombardeada várias vezes nas últimas semanas, com Moscovo e Kiev a acusarem-se mutuamente sobre a responsabilidade destes ataques.

Após uma série de incidentes e o encerramento dos seis reatores, a situação melhorou nos últimos dias, com os engenheiros ucranianos a restaurarem três linhas de energia de emergência, que haviam sido danificadas, segundo a AIEA, que tem dois especialistas no local.

Na segunda-feira, a AIEA referiu haver sinais positivos para a definição de uma zona de segurança.

“Estamos a discutir as diversas características técnicas”, como o perímetro dessa zona ou o trabalho dos dois especialistas da AIEA que se encontram no local, indicou o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi.

“E aquilo que observo é que as duas partes estão a cooperar connosco e a fazer perguntas, muitas perguntas”, prosseguiu Grossi.

Num relatório divulgado na semana passada, pouco depois de uma missão de avaliação ao estado das instalações de Zaporijia, a AIEA defendeu que fosse criada uma zona de proteção do local, para impedir uma catástrofe nuclear como a ocorrida na central de Chernobyl, em abril de 1986.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,2 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.827 civis mortos e 8.421 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Kyiv condena “detenção ilegal” do diretor geral da central de Zaporíjia

A Ucrânia condenou este sábado a “detenção ilegal” do diretor geral da central nuclear da Zaporijia, Ihor Mourachov, que foi preso na sexta-feira pela Rússia, que controla o local.

Ucrânia: Banco Mundial concede mais 540 milhões de euros a Kiev

O Banco Mundial anunciou que irá conceder um apoio adicional no valor de 530 milhões de dólares (540,6 milhões de euros) para permitir à Ucrânia “responder às necessidades urgentes causadas pela invasão russa”.
Comentários