Ucrânia: Descobertos num poço em Bucha três corpos de civis torturados e executados

“As vítimas foram torturadas durante muito tempo, e no final cada uma delas foi alvejada na cabeça”, disse o chefe da polícia da região de Kiev, Andriy Nebytov, numa declaração citada pela agência francesa de notícias, a France-Presse (AFP).

A polícia de Kiev anunciou hoje que encontrou num poço perto de Bucha, na Ucrânia, os corpos de três homens que tinham sido visivelmente torturados e baleados, com as mãos atadas e os olhos vendados.

“As vítimas foram torturadas durante muito tempo, e no final cada uma delas foi alvejada na cabeça”, disse o chefe da polícia da região de Kiev, Andriy Nebytov, numa declaração citada pela agência francesa de notícias, a France-Presse (AFP).

“As vítimas tinham as mãos atadas, roupas à volta do rosto para não poderem ver e algumas tinham mordaças na boca”, acrescentou.

Os corpos dos três homens foram encontrados em Myrotske, uma aldeia perto de Bucha, uma cidade nos arredores de Kiev que se tornou num símbolo das atrocidades da guerra na Ucrânia e na qual foram encontrados muitos cadáveres civis.

“De acordo com dados preliminares, os ocupantes tentaram esconder os vestígios da sua violência, por isso atiraram os corpos para um poço e cobriram-nos com terra”, disse Nebytov.

Kiev acusa as forças russas de massacres depois de dezenas de corpos com roupas civis terem sido encontrados nas áreas ocupadas e abandonadas pelo exército russo nos arredores de Kiev.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou cerca de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,4 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários