Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

A embaixadora britânica em Moscovo foi convocada hoje para o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa para receber os protestos oficiais russos contra as afirmações “grosseiras” do primeiro-ministro Boris Johnson sobre o presidente Vladimir Putin.

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

Depois de denunciar “uma retórica insultuosa inaceitável”, a diplomacia russa sublinhou que “em uma sociedade polida, é costume apresentar desculpas por afirmações deste género”.

Johnson declarou na terça-feira à noite, na estação de televisão alemã ZDF, que Putin não teria desencadeado a ofensiva na Ucrânia se fosse uma mulher.

Depois denunciou a invasão militar russa da Ucrânia como “um exemplo perfeito da toxicidade masculina”, por ocasião do encerramento da cimeira do G7, na Alemanha.

Por seu lado, o ministro da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, declarou na quarta-feira à noite na LBC Radio que “a visão que o presidente Putin tem de si próprio e do mundo é uma síndrome do homem pequeno, uma visão macho”.

Wallace criticou também a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, por “ameaçar todo o mundo com as armas nucleares” todas as semanas.

Ainda segundo o comunicado do Ministério, a diplomacia russa também considerou “inaceitável” que os dirigentes britânicos “façam propaganda com informações deliberadamente falsas, nomeadamente sobre as ameaças presumidas da parte russa de ‘recorrer às armas nucleares’”.

Recomendadas

Ucrânia: Recrutamento de voluntários para a frente de batalha já chegou às prisões russas

Homens com farda militar visitaram uma prisão em São Petersburgo, onde ofereceram amnistia em troca da integração dos prisioneiros nas forças russas.

Ucrânia. Conferência de doadores garante mais 1.500 milhões para equipamento e treino militar

A conferência internacional de doadores que reuniu 26 países em Copenhaga permitiu arrecadar 1.500 milhões de euros em equipamento e treino para as tropas ucranianas, divulgou esta quinta-feira o ministro da Defesa dinamarquês.

Primeiro navio com cereais ucranianos chega à Turquia e espera comprador (com áudio)

O primeiro navio carregado de milho que deixou o porto ucraniano de Odessa, no Mar Negro, rumo ao Líbano, atracou no porto turco de Mersin e aguarda um comprador para a mercadoria, confirmou fonte diplomática da Ucrânia.
Comentários