Ucrânia: EUA pedem em privado a Governo ucraniano para manter possibilidade de acordo com Rússia

A diplomacia norte-americana pediu, em privado, ao governo ucraniano que deixe aberta a possibilidade de negociar um acordo de paz com a Rússia, para convencer os países aliados de que a guerra no país não se eternizará.

Yehor Milohrodskyi/Unsplash

A noticia é avançada pelo jornal Washington Post, que cita fontes próximas das negociações.

Estas fontes falam de “intento calculado” por parte dos EUA para garantir a Kiev o apoio de governos cujos eleitorados começam a estar cansados do conflito e das consequências económicas que comporta.

“O cansaço sobre a Ucrânia é uma realidade para alguns dos nossos parceiros”, reconheceu ao jornal um responsável norte-americano, sob anonimato.

No entanto, o Governo norte-americano também transmitiu a Kiev o seu conhecimento de que nenhuma das ofertas russas para negociar tem credibilidade alguma, dadas as exageradas exigências, que praticamente equivalem a uma rendição incondicional e reconhecimento implícito da soberania russa sobre os territórios ucranianos que incorporou.

De facto, em finais de setembro, após as anexações russas, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, declarou ser “impossível” negociar com o homólogo russo, Vladimir Putin. “Negociaremos com o novo Presidente”, disse, num discurso.

Não obstante, responsáveis norte-americanos consultados pelo diário não descartam a possibilidade de Zelensky apoiar uma reabertura das negociações, uma vez chegado o inverno, quando as baixas temperaturas praticamente impossibilitam os combates e se abre a janela da diplomacia.

De momento, e perante os avanços ucranianos em Jerson e o possível ataque da semana passada contra o porto de Sebastopol, os responsáveis norte-americanos perguntam agora se a Ucrânia tem a intenção de lançar ofensivas na península da Crimeia, uma estratégia que poderia acabar com todas as expectativas de um acordo de paz, pela importância estratégica que este território, incorporado pela Rússia em 2014, representa para o Kremlin.

“Alguns dos países do G7 que pediram uma paz justa e negociada veem um possível ponto de inflexão se as forças ucranianas se aproximarem da Crimeia”, segundo as fontes do jornal.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Hungria veta ajuda à Ucrânia, forçando UE a procurar solução alternativa

Segundo o “Politico”, o veto húngaro significa ainda que as decisões sobre todos os outros assuntos na agenda dos ministros das Finanças —  incluindo uma taxa mínima de imposto corporativo, o plano de recuperação húngaro e a decisão de congelar 7,5 mil milhões de fundos da UE para a Hungria — foram adiados.

Ucrânia: Regulador cancela licença de emissão de televisão russa na Letónia

Numa publicação feita na rede social Twitter, o regulador acusou o canal russo no exílio de uma série de violações das leis da Letónia, nomeadamente por ter mostrado a península da Crimeia como parte da Rússia num mapa.
Comentários