Ucrânia: EUA ponderam libertar até um milhão de barris de petróleo por dia

Com esta medida os EUA procuram tentar controlar os preços da energia que dispararam após a invasão russa da Ucrânia e das sanções económicas impostas a Moscovo.

China Stringer Network/Reuters

O Presidente dos Estados Unidos está a ponderar libertar até um milhão de barris de petróleo por dia da reserva estratégica da nação, segundo uma fonte não identificada citada pela agência de notícias Bloomberg.

Com esta medida os EUA procuram tentar controlar os preços da energia que dispararam após a invasão russa da Ucrânia e das sanções económicas impostas a Moscovo.

A administração Biden anunciou em novembro a libertação de 50 milhões de barris da reserva estratégica em coordenação com outros países. E, após o início da guerra ucraniana, os EUA e 30 outros países concordaram em libertar outros 60 milhões de barris das reservas, metade dos quais proveniente dos EUA.

De acordo com o Departamento de Energia dos Estados Unidos, a reserva estratégica norte-americana detinha no final da passada semana mais de 568 milhões de barris de petróleo.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1.901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

“Levava um tiro por Putin”. Antiga figura da Fórmula Um defende a invasão da Ucrânia

Bernie Ecclestone referiu-se ao líder russo como alguém “de primeira classe” que cometeu “erros” e apontou o dedo a Zelensky por “não ouvir” o Kremlin. Declarações que já mereceram reação da Fórmula Um.

Nova ‘cortina de ferro’ já desce entre a Rússia e o Ocidente, diz Kremlin

“No que diz respeito a uma cortina de ferro, essencialmente ela já está a descer” e esse processo já está em curso, disse o porta -voz de Putin.
Comentários