Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento defende que a Europa devia olhar para África para reduzir a sua dependência do gás russo e considerou urgente construir o gasoduto transaariano para ligar os dois continentes.

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse Akinwumi Adesina na sexta-feira ao final do dia, na conferência de imprensa de encerramento dos encontros anuais do Banco Africano de Desenvolvimento, que decorreram esta semana em Acra.

O banqueiro respondia a uma pergunta dos jornalistas sobre a ironia de a Europa ponderar recorrer ao gás africano quando em novembro, na cimeira do clima de Glasgow, 39 países e agências de desenvolvimento prometeram parar o financiamento de projetos de combustíveis fósseis no exterior.

A decisão tem sido criticada pelos países africanos, que argumentam que o gás é o mais limpo dos combustíveis fósseis e tem um papel essencial na transição energética no continente.

Na resposta, Adesina lembrou que a União Europeia depende da Rússia em 45% das suas importações de gás, o que mostra “a fraqueza da sobre-concentração do abastecimento de uma região em um país”.

Recordou por isso que em África não faltam fontes de gás: “O Gana tem depósitos, a Costa do Marfim acaba de encontrar gás, o Senegal tem gás, Angola tem gás (…), Moçambique tem tanto gás que no BAD estamos a trabalhar com parceiros para ajudar a conseguir o projeto de gás liquefeito de 24 mil milhões, que tornará o país o terceiro maior fornecedor de gás liquefeito do mundo”.

Reiterando que o BAD está comprometido com a transição energética e com energia renovável – “86% do nosso investimento em geração de eletricidade vem de energias renováveis” – Adesina sublinhou que “o gás natural é fundamental para a segurança energética” do continente.

O presidente do banco lembrou, no entanto, que é preciso construir o gasoduto transaariano que vai ligar África à Europa via Argélia.

“Precisamos de infraestruturas de gás, não só para exportar, mas também no continente. Vejo como uma prioridade que África se torne um mercado que pode fornecer gás à Europa, mas temos de garantir que temos a infraestrutura”, concluiu.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários