Ucrânia: Governo diz levar sanções “muito a sério” após congelar moradia de Abramovich

O ministro português dos Negócios Estrangeiros disse hoje que Portugal leva “muito a sério” as sanções da União Europeia a oligarcas russos, confirmando o congelamento de uma moradia de Roman Abramovich, sem conhecimento de outros bens para já.

“As sanções são tomadas muito a sério por Portugal e qualquer indivíduo sancionado que se julgue ter propriedades ou bens em Portugal será sempre investigado e, confirmando-se, os bens serão congelados”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho.

Falando à chegada da reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Berlim, o chefe da diplomacia portuguesa confirmou a notícia hoje avançada pelo jornal Público, do congelamento de uma moradia do oligarca russo Roman Abramovich na Quinta do Lago, no Algarve.

“Neste caso, temos a convicção forte, que ainda não é a confirmação plena, de que [a propriedade] pertence a Roman Abramovich e está congelada, o que significa que não pode ser vendida, hipotecada ou arrendada para qualquer tipo de proveito financeiro”, explicou João Gomes Cravinho, embora realçando “as dificuldades” em descobrir a propriedade de certos imóveis por estarem em nomes de empresas detidas por outras.

Questionado se outros imóveis deste oligarca russo com ligações ao Presidente russo, Vladimir Putin, foram já congelados em Portugal, João Gomes Cravinho adiantou: “Nós não temos conhecimento, neste momento, de outros bens”.

O jornal Público noticia hoje que o Estado português congelou, em março passado, uma moradia de Roman Abramovich avaliada em 10 milhões de euros, localizada no Algarve, que o oligarca russo tentou vender duas semanas antes da invasão militar da Ucrânia pela Rússia.

De acordo com o jornal, o imóvel, na Quinta do Lago, está congelado desde 25 de março passado, a pedido do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O jornal explica que, antes, em 09 de fevereiro, um cidadão britânico tentou pedir um empréstimo para comprar o imóvel, numa operação que chamou a atenção da Caixa Geral de Depósitos, que posteriormente verificou que a empresa proprietária da moradia pertencia à rede comercial de Abramovich e alertou a Polícia Judiciária.

O oligarca foi sancionado pela União Europeia em meados de março, tendo-lhe sido aplicado o congelamento de bens e o impedimento no acesso a fundos de cidadãos e empresas da UE.

Os sancionados abrangidos pelas medidas restritivas europeias ficam também proibidos de viajar, entrar ou transitar pelos territórios da UE, o que não inclui porém Roman Abramovich, que tem passaporte português.

Roman Abramovich é cidadão português desde o ano passado, ao abrigo do processo de atribuição da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas, estando essa concessão envolta em controvérsia e sob investigação por alegadas irregularidades com os certificados que provam a sua ascendência.

O certificado de Abramovich foi emitido pela Comunidade Israelita do Porto, cujo rabino, Daniel Litvak, foi detido no âmbito desta investigação.

Relacionadas

Cravinho espera que Finlândia e Suécia sejam membros da NATO até final do ano

O ministro português dos Negócios Estrangeiros disse hoje esperar que, até final do ano, Finlândia e Suécia sejam “membros de pleno direito” da NATO, não prevendo “dificuldades de maior” àquele que é um “passo natural” para a segurança europeia.

Abramovich tentou vender imóvel de 10 milhões e Portugal congelou ativo

O Ministério dos Negócios Estrangeiros, ainda sob a alçada de Augusto Santos Silva, mandou congelar o registo de propriedade do imóvel a 25 de março.

Registos foram pressionados a dar nacionalidade a Abramovich com “urgência” por “interesse nacional”

Três meses após o início do processo, e devido à pressão realizada junto da Conservatória dos Registos Centrais (CRC), Abramovich recebeu a cidadania portuguesa.
Recomendadas

Nova funcionalidade permite consultar online comprovativos de pagamento à Segurança Social

Os comprovativos de pagamento à Segurança Social já podem ser consultados online.

Portugal dispõe de mais 51 milhões para financiar setor da agricultura em crise

Portugal vai disponibilizar mais 51 milhões de euros de fundos para os agricultores, no âmbito do aumento de custos de produção, depois de Bruxelas ter aprovado a mobilização de verbas do desenvolvimento rural, anunciou hoje a ministra da Agricultura.

Mundo tem apenas “dez semanas” de abastecimento de trigo, alerta analista

Ao fornecer os dados, Menker alertou que, devido aos aumentos de preços este ano, outros 400 milhões em todo o mundo ficaram “inseguros em relação à alimentação”
Comentários