Ucrânia: grupo hoteleiro norte-americano Marriot suspende operações na Rússia

A cadeia de hotéis recordou que no dia 10 de março já tinha definido o encerramento do seu escritório empresarial em Moscovo e a suspensão da abertura de novos hotéis, além de todo o futuro desenvolvimento e investimento hoteleiro na Rússia.

Os hotéis Marriott decidiram suspender todas as suas operações na Rússia devido às sanções ocidentais impostas àquele país por causa da guerra na Ucrânia, revelou o grupo hoteleiro norte-americano em comunicado.

A cadeia de hotéis recordou que no dia 10 de março já tinha definido o encerramento do seu escritório empresarial em Moscovo e a suspensão da abertura de novos hotéis, além de todo o futuro desenvolvimento e investimento hoteleiro na Rússia.

No entanto, com o prolongamento da invasão russa na Ucrânia a ultrapassar os 100 dias, o grupo Marriott concluiu que as sanções dos Estados Unidos da América, Reino Unido e União Europeia “tornarão impossível continuar a operar ou franquear hotéis no mercado russo”.

“Tomámos, portanto, a decisão de suspender todas as operações da Marriott International na Rússia”, pode ler-se na nota divulgada, que relembra os 25 anos de presença em território russo, reconhecendo ainda que o processo de suspensão das operações, após tantos anos de atividade neste mercado, “é complexo”.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.

Empresas TVDE criaram mais de sete mil empregos em seis anos

Entre 2013, ano anterior ao lançamento da operação da Uber em Portugal, e 2019, o número de empresas no sector (plataformas de transportes de passageiros) cresceu 71%.

Há 45 anos foi vendida a primeira Coca-Cola em Portugal

Foi a 4 de julho de 1977, num café na Baixa de Lisboa. “Não só faz parte da história do país como contribui ativamente para a economia nacional. Por cada euro que é gasto em Coca-Cola, 81 cêntimos permanecem em Portugal”, diz Rui Serpa, diretor em Portugal da Coca-Cola Europacific Partners.
Comentários