Ucrânia: Guterres “em segurança”, mas “chocado” com bombardeamentos em Kiev (com áudio)

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que se encontra em visita a Kiev, “está seguro”, mas “chocado” após a capital ucraniana ter sido atingida por bombardeamentos russos no início da noite.

Secretary-General António Guterres (centre) visits residential neighborhoods of Irpin, in Ukraine’s Kyiv Oblast, Ukraine, 28 April 2022. “This horrific scenario demonstrates something that is unfortunately, always true: civilians always pay the highest price. Innocent civilians were living in these buildings. They were paying the highest price for a war for which they had not contributed at all. And this is something everybody should remember, everywhere in the world. Wherever there is a war, the highest price is paid by civilians,” said the Secretary-General in Irpin. ESKINDER DEBEBE/UN/LUSA

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que se encontra em visita a Kiev, “está seguro”, mas “chocado” após a capital ucraniana ter sido atingida por bombardeamentos russos no início da noite. “Estamos seguros”, disse a jornalistas Saviano Andreu, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês). À agência France-Presse (AFP), Andreu referiu ainda que “é uma zona de guerra, mas é chocante que tenha acontecido perto” de onde a delegação de Guterres está.

Kiev foi alvo esta quinta-feira de pelo menos dois bombardeamentos por parte das forças russas enquanto decorre a visita do secretário-geral da ONU, segundo autoridades locais e jornalistas da AFP.

Os correspondentes da AFP viram no local um edifício em chamas, janelas partidas, uma forte presença policial e socorristas. O presidente da Câmara de Kiev, Vitali Klitschko, confirmou no Telegram “dois ataques” a um dos distritos da capital.

A Ucrânia classificou como um “ato hediondo de barbárie” os bombardeamentos a Kiev enquanto decorria a visita do secretário-geral das Nações Unidas. “Com este ato hediondo de barbárie, a Rússia mais uma vez demonstra a sua atitude em relação à Ucrânia, à Europa e ao mundo”, salientou o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kouleba, através da rede social Twitter.

O presidente da Câmara de Kiev, Vitali Klitschko, confirmou no Telegram “dois ataques” a um dos distritos da capital. “À noite, o inimigo atacou Kiev. Dois ataques no distrito de Chevchenkovsky”, atingindo um edifício residencial, referiu Vitali Klitschko, acrescentando que três pessoas ficaram feridas e estão hospitalizadas. “Os serviços de resgate e de emergência estão a trabalhar no local”, adiantou ainda.

Também Mikhail Podolyak, conselheiro do Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, denunciou no Twitter que os “mísseis atingiram o centro de Kiev durante a visita oficial de António Guterres”.

“Ontem ele [António Guterres] estava sentado numa mesa longa no Kremlin e hoje explodem mísseis em cima da sua cabeça”, apontou Podolyak.

Já o chefe da administração do gabinete presidencial, Andriï Yermak, sublinhou que está “é a prova” de que a Ucrânia “precisa de uma vitória rápida sobre a Rússia e que todas as pessoas civilizadas se devem unir aos ucranianos”.

“Devemos agir rapidamente. Mais armas, mais esforços humanitários, mais ajuda”, apelou, pedido ainda a retirada à Rússia do seu direito de veto no Conselho de Segurança da ONU.

Relacionadas

Guterres na Ucrânia: “Conselho de Segurança falhou”, mas “ONU está a trabalhar com o país”

Presidente ucraniano esquivou-se a alimentar a polémica do itinerário de António Guterres, que quis ir a Moscovo antes de visitar Kiev. Zelensky reforçou a lista de pedidos (exceto em relação às armas) que tem transmitido ao ocidente.
Recomendadas

Zelensky invoca ‘O Grande Ditador’ de Chaplin em Cannes

“O cinema vai ficar calado ou vai falar sobre isto? Se houver um ditador, se houver uma guerra pela liberdade, novamente, tudo depende da nossa unidade. O cinema pode ficar de fora?”, questionou. Por fim, disse que a sua crença é a mesma do clássico cinematográfico: “a liberdade não morrerá”.

Ginasta russo banido por um ano por usar símbolo pró-Putin em competição ganha pela Ucrânia

Ivan Kuliakd deve também devolver a medalha e reembolsar o prémio em dinheiro de 500 francos suíços (cerca de 477 euros) e pagar uma contribuição dos custos do processo no valor de 2.000 francos suíços (1908 euros). O russo pode pedir o recurso nos próximos 21 dias.

Human Rights Watch denuncia tortura e execuções de civis pelas forças russas

A organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW) denunciou hoje execuções sumárias, torturas e outros abusos graves cometidos sobre civis pelas forças russas que controlam grande parte das regiões ucranianas de Kiev e Chernihiv.
Comentários