Ucrânia: Japão reforça sanções contra Rússia (com áudio)

A decisão do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês vai afetar duas instituições bancárias da Rússia, o Banco de Crédito de Moscovo e o Banco Agrícola da Rússia, e o Banco de Desenvolvimento e Reconstrução da Bielorrússia, país aliado de Moscovo.

7 – Tóquio

O Japão vai adotar novas sanções contra Moscovo, na sequência da invasão da Ucrânia, penalizando bancos e a exportação de bens que contribuam para reforçar infraestruturas industriais russas, anunciaram hoje as autoridades nipónicas.

A decisão do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês vai afetar duas instituições bancárias da Rússia, o Banco de Crédito de Moscovo e o Banco Agrícola da Rússia, e o Banco de Desenvolvimento e Reconstrução da Bielorrússia, país aliado de Moscovo.

“Para deter a Rússia o mais rapidamente possível e procurar a via do diálogo é necessário ajudar a Ucrânia e tomar medidas fortes contra a Federação”, disse o porta-voz do Ministério japonês, Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa.

O responsável observou que o país vai continuar a tomar medidas com base na evolução da situação.

Do plano de novas sanções faz também parte o congelamento de bens com capacidade para fortalecer as infraestruturas industriais russas, embora não tenham sido divulgados mais pormenores a este respeito.

A decisão do executivo de Tóquio foi tomada quase um mês depois de ter anunciado outra ronda de sanções contra a Rússia, incluindo o congelamento de bens de 141 personalidades, incluindo o primeiro-ministro, Mikhail Mishustin.

Noutras rondas de sanções, o Japão decidiu deixar de exportar semicondutores e componentes para ‘microchips’ que pudessem ser utilizados pela indústria militar russa, suspendendo também a vendas de carros de luxo para a Rússia.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de oito milhões de pessoas, das quais mais de 6,6 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Condenação do estatuto de candidato à UE revela fraqueza do Kremlin

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano afirmou este sábado que a condenação do Kremlin de uma “garra geopolítica” dirigida à Rússia, na sequência da atribuição à Ucrânia e à Moldova de estatuto de candidato à UE “mostra a sua fraqueza”.

Ucrânia. Exército acusa Bielorrússia de bombardear a região fronteiriça de Chernigiv

A Bielorrússia, aliado diplomático de Moscovo, bombardeou a região fronteiriça de Chernigiv, na Ucrânia, a nordeste de Kiev, disse este sábado o Exército ucraniano, acrescentando que o ataque não causou vítimas e afetou uma infraestrutura.

Zelensky demite embaixadora da Ucrânia em Lisboa

A informação é avançada pelo “Kiyv Independent” que adianta também as substituições do embaixador da Ucrânia na Geórgia, Ihor Dolhov e na Eslováquia, Yurii Mushk.
Comentários