Ucrânia: Johnson diz a Orbán que pressão máxima sobre a Rússia deve continuar

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu esta sexta-feira, numa conversa com o seu homólogo húngaro, Viktor Orbán, que a comunidade internacional deve continuar a aplicar “a máxima pressão económica” para debilitar a máquina de guerra russa.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu esta sexta-feira, numa conversa com o seu homólogo húngaro, Viktor Orbán, que a comunidade internacional deve continuar a aplicar “a máxima pressão económica” para debilitar a máquina de guerra russa.

Em comunicado, o Governo de Londres indicou que, na conversa telefónica que manteve com Orbán, o líder conservador britânico “expressou forte condenação do ataque continuado da Rússia à Ucrânia e disse que a comunidade internacional tem que continuar a aplicar a máxima pressão económica para invalidar a máquina de guerra de [Vladimir] Putin”, o Presidente russo.

Johnson falou também das “circunstâncias desafiantes que alguns países têm enfrentado ao procurar fornecedores de energia”, embora confie que a União Europeia (UE) poderá continuar a aplicar o seu sexto pacote de sanções, “dada a prioridade de pôr fim à guerra na Ucrânia o mais rapidamente possível”.

“Ambos os líderes concordaram que é fundamental reforçar a segurança energética e a resistência doméstica na Europa, porque um confronto sem fim na Ucrânia só provocaria mais sofrimento”, refere a nota de imprensa.

Boris Johnson disse ainda que as forças ucranianas “lutarão o tempo que for necessário e prestou homenagem aos seus esforços”, acrescenta o texto.

A ofensiva militar lançada na madrugada de 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas – mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa – justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou esta sexta-feira que 4.031 civis morreram e 4.735 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 93.º dia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Recomendadas

Charles Michel confiante em soluções para sancionar ouro russo sem sofrer impacto

“Estou confiante de que as questões e medidas técnicas podem ser encontradas para poder visar esse sector sem sermos vítimas de efeitos negativos”, afirmou o presidente do Conselho Europeu.

Moscovo diz ter atingido centro de treino militar da Ucrânia perto da fronteira polaca

O Ministério da Defesa russo referiu que os bombardeamentos foram realizados com “armas de alta precisão das forças aeroespaciais russas e mísseis Kalibr (cruzeiro)”.

Ataque a Kiev é mais um exemplo da “barbárie” russa, diz Joe Biden

As declarações foram feitas durante a cimeira do G7 que começa este domingo e vai durar três dias, no sul da Alemanha. O novo ataque a Kiev “é mais [um exemplo] da barbárie” da Rússia, disse o presidente norte-americano, citado pela Reuters.
Comentários