Ucrânia: Kiev e Moscovo voltam a trocar prisioneiros de guerra

As autoridades da Rússia e da Ucrânia confirmaram hoje a libertação de 50 prisioneiros de guerra detidos pelas duas partes em conflito, no dia em que a invasão russa cumpre nove meses.

Segundo o chefe do gabinete da presidência ucraniana, Andrii Yermak, a Rússia libertou 20 membros da Guarda Nacional, 12 da Marinha, dez soldados das Forças Armadas, seis da Guarda Fronteiriça e outros dois das Forças de Defesa Territorial.

O mesmo responsável indicou que entre os soldados que regressam à Ucrânia se encontram pelo menos 19 defensores da cidade de Mariupol, palco de intensos combates durante as primeiras semanas de guerra, e outros 15 da central nuclear de Chernobil, indicou a agência noticiosa oficial Ukrinform.

Por sua vez, o Ministério da Defesa da Rússia confirmou estas informações e assegurou que os soldados que regressaram a território russo estavam em “perigo de morte” sob a custódia ucraniana.

Apesar de ainda parecerem longínquas as perspetivas de um acordo negociado para o conflito, Kiev e Moscovo têm procedido a diversas trocas de prisioneiros desde o início da guerra.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus –, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Ucrânia: Cruz Vermelha teve acesso aos prisioneiros de guerra ucranianos e russos

“Na semana passada, o CICV efetuou uma visita de dois dias aos prisioneiros de guerra ucranianos. Outra visita está a decorrer esta semana”, refere o Comité Internacional da Cruz Vermelha numa declaração feita esta quinta-feira.

Ucrânia. Sofrimento “não pode tornar-se novo normal”, diz Alto-Comissário da ONU

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Türk, defendeu hoje em Kiev que o sofrimento em que estão milhões de civis em toda a Ucrânia “não pode tornar-se o novo normal”.

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.
Comentários