Ucrânia: Kiev vai enviar 45 autocarros para retirar civis de Mariupol

Kiev vai enviar 45 autocarros para retirar civis de Mariupol, uma cidade sitiada no sudeste da Ucrânia, para onde Moscovo anunciou uma trégua, disse hoje a vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Verechtchuk.

Kiev vai enviar 45 autocarros para retirar civis de Mariupol, uma cidade sitiada no sudeste da Ucrânia, para onde Moscovo anunciou uma trégua, disse hoje a vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Verechtchuk.

“Ontem [quarta-feira] à noite fomos informados pelo Comité Internacional da Cruz Vermelha que a Rússia estava pronta para abrir o acesso dos corredores humanitários de Mariupol” à cidade de Zaporozhie via Berdiansk, disse, num vídeo publicado na plataforma de mensagens Telegram.

“Para o corredor de Mariupol estamos a enviar 45 autocarros”, acrescentou.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1.901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários