Ucrânia: Líder turco confiante na renovação dos acordos sobre cereais (com áudio)

“Tivemos discussões e, por agora, sou da opinião que elas vão continuar e quando regressar [à Turquia] falarei com Putin e outros interlocutores”, disse Erdogan no final da cimeira do G20 em Nusa Dua, na ilha indonésia de Bali, citado pela agência espanhola EFE.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou hoje que recebeu “luz verde” do seu homólogo russo, Vladimir Putin, para renovar os acordos sobre exportação de cereais e fertilizantes russos e ucranianos, que expiram no final da semana.

“Tivemos discussões e, por agora, sou da opinião que elas vão continuar e quando regressar [à Turquia] falarei com Putin e outros interlocutores”, disse Erdogan no final da cimeira do G20 em Nusa Dua, na ilha indonésia de Bali, citado pela agência espanhola EFE.

Erdogan disse que recebeu a “luz verde” de Putin nas suas últimas conversas com o líder russo, mas não deu pormenores sobre quando é que será oficializada a renovação.

“O caminho para a paz é através do diálogo”, referiu o líder turco, que disse estar convencido de que as exportações dos cereais vão continuar.

“Continuaremos a trabalhar para a extensão ininterrupta deste acordo e para assegurar o fluxo de cereais para os países que mais necessitam, especialmente de África”, disse também, segundo a agência francesa AFP, admitindo a possibilidade de a extensão ser por um ano.

Erdogan foi um dos arquitetos dos acordos assinados em julho, em Istambul, patrocinados pelas Nações Unidas, que permitiram a exportação de quase 11 milhões de toneladas de cereais que estavam bloqueados devido à guerra na Ucrânia.

A Turquia coordena e supervisiona as operações através de um centro instalado no porto de Istambul.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, disse em Bali, na terça-feira, que os obstáculos à prorrogação do acordo permanecem devido às sanções ocidentais que impedem as exportações russas de cereais e fertilizantes.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, que também participou na cimeira, prometeu levantar esses obstáculos.

A guerra na Ucrânia, que a Rússia iniciou em 24 de fevereiro deste ano, interrompeu as exportações de cereais e fertilizantes produzidos nos dois países, provocando uma subida generalizada de preços e o receio de escassez alimentar a nível global, mas com mais incidência nos países mais pobres.

Em conjunto, segundo a revista britânica The Economist, a Ucrânia e a Rússia forneciam, antes da guerra, 28% do trigo consumido no mundo, 29% da cevada, 15% do milho e 75% do óleo de girassol.

Recomendadas

Mercosul. Pedido de adesão uruguaio a outro bloco marcará cimeira

Uma cimeira “entretida” do Mercosul é a expectativa do Uruguai, país anfitrião e atual presidente do grupo comercial, para o próximo encontro regional onde o controverso pedido de adesão uruguaio a outro bloco comercial estará em debate.

Presidente israelita encontra-se com rei de Bahrein na primeira visita ao país

O rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, recebeu este domingo o presidente de Israel, na primeira visita oficial de um chefe de Estado israelita ao reino após as duas nações terem estabelecido relações diplomáticas em setembro de 2020.

Blinken avisa Netanyahu sobre novos colonatos na Cisjordânia

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, avisou este domingo que os Estados Unidos se vão opor ao estabelecimento de novos colonatos na Cisjordânia ocupada pelo próximo governo israelita, quando Benjamin Netanyahu está prestes a voltar ao poder em Israel.
Comentários