Ucrânia. Maduro acusa EUA e Europa de “suicídio económico” para punir a Rússia (com áudio)

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou hoje os Estados Unidos e a Europa de optarem pelo “suicídio económico” com o propósito de punir Moscovo pela invasão da Ucrânia.

“Na Europa anunciam uma recessão da economia, porque a Europa e os Estados Unidos optaram pelo suicídio económico, tentando matar a Rússia”, disse o governante, durante um ato público transmitido pela televisão estatal venezuelana.

Maduro previu que “se anuncia uma grande recessão mundial”, numa altura em que a Venezuela “bate o recorde mundial de crescimento económico da economia real, não petrolífera”, que disse ser superior a 20% no atual trimestre.

“Há que estudar as repercussões da recessão mundial sobre a economia da América Latina e da Venezuela”, frisou.

“A Europa e os Estados Unidos decretaram o suicídio económico e social das suas sociedades, das suas economias, para prejudicar, para acabar com a Rússia”, disse o Presidente da Venezuela.

Maduro sublinhou que ainda que “por causa de uma obsessão russofóbica, preferem a crise energética, os apagões, a crise económica, a inflação sem controlo do que negociar a paz com a Rússia, dar ‘garantias’ à Rússia” para alcançar “um acordo de paz, de concórdia”.

Maduro vincou que foi por isso, numa “carta à humanidade” enviada recentemente à ONU, se juntou à iniciativa lançada pelo Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, para criar um Comité Internacional para o Diálogo e a Paz, no seio do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para procurar “uma negociação de paz justa entre a Rússia e a Ucrânia e para toda a humanidade”.

“Há que reativar os mecanismos da diplomacia, do diálogo, da política com um ‘P’ maiúsculo e não permitir que o conflito continue a escalar do militar para o económico, do económico para o social, do social para o político, do político para o militar, e um dia nos vejamos envolvidos numa grande guerra mundial de natureza nuclear”, explicou.

O Presidente da Venezuela exclamou “Deus Santo! Não permita que isso aconteça! Não o permita!”

“A humanidade clama pela paz, compreensão, diálogo e diplomacia, e nós, desde a Venezuela, como guerreiros que somos, clamamos pelo diálogo, pela diplomacia e paz. É tão simples quanto isso”, disse.

Recomendadas

Ucrânia: Sistema energético estabilizado após dias sem luz devido a ataques russos

A invasão foi condenada pela comunidade internacional, que respondeu, com destaque para a União Europeia e os Estados Unidos, com ajuda militar, humanitária e económica a Kiev e a imposição de sanções económicas e políticas sem precedentes a Moscovo.

Ucrânia: Rússia anuncia morte de “uma centena de mercenários estrangeiros” em Donetsk

“Até 100 mercenários estrangeiros e seis veículos blindados foram destruídos na área de Chasiv Yar em resultado de um ataque com armas de alta precisão das forças aeroespaciais russas nos locais temporários de treino dos chamados milicianos da Legião Estrangeira”, declarou o porta-voz do exército russo, general Igor Konashenkov.

União Europeia paga transporte de cereais ucranianos para países vulneráveis

A iniciativa pretende fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023.
Comentários