Ucrânia: Ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria visita Rússia pela segunda vez em seis semanas

Szijjarto participou num fórum de tecnologia nuclear em Sochi, junto ao Mar Negro, com vista a avançar na construção de dois novos reatores na central nuclear de Paks, a única que a Hungria tem.

5 – Rússia (2,2 mil toneladas)

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria, Peter Szijjarto, viajou hoje para a Rússia pela segunda em seis semanas, mostrando a proximidade a Moscovo do Governo de Viktor Orbán, que se opõe a novas sanções à Rússia.

Szijjarto participou num fórum de tecnologia nuclear em Sochi, junto ao Mar Negro, com vista a avançar na construção de dois novos reatores na central nuclear de Paks, a única que a Hungria tem.

O gigante russo Rosatom será responsável pela expansão destas instalações, seguindo um acordo assinado em 2014.

“Espero sinceramente que nenhum país europeu impeça este investimento”, disse Szijjarto, que insistiu que a energia “é uma questão de segurança nacional, mesmo de soberania”, de acordo com declarações divulgadas pelo seu departamento.

O ministro húngaro tinha já advertido que impedirá a aprovação de sanções da União Europeia à Rússia relacionadas com energia nuclear, porque afetariam a ampliação da sua única central atómica, em curso com ajuda de Moscovo.

“A ampliação da central nuclear de Paks corresponde aos nossos interesses estratégicos e de segurança nacional. Até agora, conseguimos evitar que Bruxelas imponha sanções ao nosso desenvolvimento nuclear e também o faremos no futuro”, garantiu Péter Szijjártó, num comunicado a 10 de novembro.

O chefe da diplomacia húngara viajou para Moscovo em outubro para participar também num evento sobre política energética e foi o único ministro dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) a reunir-se, em setembro, com o chefe da diplomacia russo, Serguei Lavrov, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas.

A UE aprovou vários pacotes de sanções contra a Rússia desde que começou, a 24 de fevereiro, a invasão da Ucrânia por tropas de Moscovo, algumas no setor energético, mas a Hungria conseguiu ficar isenta da aplicação de algumas dessas sanções, como no caso do petróleo, por ser altamente dependente das importações de energia russa.

Recomendadas

São-tomenses pedem intervenção de Guterres para “evitar mais sangue”

Uma petição lançada pelo analista político são-tomense Danilo Salvaterra, com mais de 600 assinaturas, pede a intervenção direta do secretário-geral da ONU para evitar mais derramamento de sangue.

Ucrânia. Sofrimento “não pode tornar-se novo normal”, diz Alto-Comissário da ONU

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Türk, defendeu hoje em Kiev que o sofrimento em que estão milhões de civis em toda a Ucrânia “não pode tornar-se o novo normal”.

Tribunal russo confirma 22 anos de prisão para jornalista acusado de alta traição

Um tribunal de Moscovo confirmou hoje a condenação a 22 anos de prisão, por alta traição, do jornalista e conselheiro da Empresa Espacial do Estado (Roscosmos) Ivan Safronov, rejeitando o recurso interposto pela defesa.
Comentários