Ucrânia: Moçambique está em melhor posição para promover o diálogo, diz o presidente

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, defendeu hoje, na Finlândia, que Moçambique está em “melhor posição” para promover o diálogo entre Rússia e a Ucrânia, reiterando que o país africano é “contra a Guerra”, apesar da sua posição de neutralidade.

“Nós estamos de lado de quem quer forçar para que haja um diálogo e, nas oportunidades que temos para falar com a Ucrânia e com a Rússia, reforçamos esta posição. Os dois países cooperam e trabalham com Moçambique e, portanto, estamos em melhor posição para opinar”, declarou Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano falava em Helsínquia durante uma conferência de imprensa e ao lado do chefe de Estado finlandês, Sauli Niinistö, com quem esteve reunido hoje no âmbito da visita de trabalho que realiza à Finlândia desde terça-feira.

Nyusi reiterou que Moçambique não concorda com a violência e a posição de neutralidade que o país escolheu visa abrir espaço para o diálogo com base na confiança, embora admita que o impacto da guerra já se faz sentir em África e em Moçambique.

“Nós queremos estar numa situação de encorajar o diálogo, mas não podíamos fazer isso se tivéssemos tomado uma posição”, frisou Filipe Nyusi, acrescentando que Moçambique acredita que os seus parceiros internacionais respeitaram a sua decisão.

“Nós, como Moçambique, não estamos a favor da guerra. As guerras que nós tivemos em Moçambique foram uma lição e as mesmas só terminaram depois do diálogo, baseado na confiança”, frisou Filipe Nyusi, avançando ainda que o país africano já se disponibilizou para integrar a mesa negocial entre Kiev e Moscovo.

Moçambique esteve entre os países que se abstiveram em três resoluções que foram a votos na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) desde a invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro.

A primeira resolução condenou a Rússia pela crise humanitária na Ucrânia devido à guerra, outra suspendeu Moscovo do Conselho de Direitos Humanos e a terceira condenou a anexação de territórios ucranianos pela Rússia, reforçando o isolamento de Moscovo no panorama internacional.

A Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo, partido no poder desde a independência) foi um aliado de Moscovo durante o tempo da ex-URSS, tendo recebido apoio militar durante a luta contra o colonialismo português e ajuda económica depois da independência, em 1975.

A visita de Filipe Nyusi a Finlândia terá duração de quatro dias e, além de encontros com seu homólogo finlandês, o chefe de Estado moçambicano vai visitar empreendimentos económicos e também participar num seminário de negócios.

Desde 2003, a Finlândia, que esteve também entre os tradicionais doadores do Orçamento de Estado (OE) de Moçambique, contribui anualmente com nove milhões de euros para o fundo comum do Governo e doadores que apoia o desenvolvimento da educação em Moçambique, segundo dados oficiais da embaixada finlandesa em Maputo.

Recomendadas

ONU alerta para 48 milhões com fome na África Ocidental

A Organização das Nações Unidas alertou hoje que o número de pessoas que passam fome na África Ocidental pode chegar a 48 milhões no próximo ano, incluindo 9 milhões de crianças, se não forem tomadas medidas urgentes.

PremiumEstado angolano prepara regresso da UNITEL ao sector privado

Depois de se ter tornado sócio maioritário por via da nacionalização de participações acionistas, o Governo angolano avança, mas sem dar grandes novidades. Economista propõe plano de internacionalização focado na SADC e PALOP.

Primeiro-ministro de Cabo Verde quer acordo de competividade a médio prazo entre patrões e sindicatos

“Apesar das crises e ultrapassando as crises com muita resiliência, nós estamos a construir a retoma e o relançamento com forte suporte do setor privado”, afirmou o chefe do Governo, na abertura do debate mensal no parlamento, na Praia, neste caso dedicado ao tema “O Setor Privado na estratégia de desenvolvimento sustentável de Cabo Verde”.
Comentários